Encontre uma enorme cidade antiga perdida na floresta amazônica

Segundo os arqueólogos, as cidades parecem uma civilização perdida de agricultores há 2.500 anos.

Paris:

Arqueólogos descobriram a maior e mais antiga rede de cidades pré-hispânicas já encontrada na floresta amazônica, revelando uma civilização perdida de agricultores com 2.500 anos de idade.

O vasto local, que cobre mais de 1.000 quilómetros quadrados (385 milhas quadradas), esteve durante muito tempo escondido pela selva no Vale Obano, no sopé da cordilheira dos Andes, no leste do Equador.

No entanto, uma equipa de investigadores liderada pela França utilizou tecnologia de mapeamento a laser obtida de cima, combinada com escavações arqueológicas, para revelar 20 povoações – incluindo cinco grandes cidades – ligadas por estradas.

Stephen Rosten, arqueólogo do centro de pesquisa francês CNRS e principal autor de um novo estudo, disse à AFP que foi como descobrir um “El Dorado”.

A escala deste desenvolvimento urbano – que inclui casas de barro, edifícios cerimoniais e drenagem agrícola – nunca foi vista antes na Amazônia, disse Rustin.

“Não é apenas uma aldeia, é toda uma paisagem que foi domesticada”, disse ele.

Rustin disse que descobriu os primeiros vestígios desta civilização perdida há 25 anos, quando descobriu centenas de colinas na área.

Em 2015, a sua equipa de investigadores sobrevoou a área utilizando uma tecnologia laser chamada lidar, que permitiu aos cientistas olhar através da copa da floresta “como se tivéssemos cortado todas as árvores”, disse Rustin.

– 'Como Nova York' –

Eles encontraram mais de 6.000 montes de terra e plataformas retangulares de terra que serviram como base para o “povo Obano”.

No chão, os pesquisadores encontraram “todos os restos domésticos que alguém veria em uma casa – lareiras, grandes potes de cerâmica para cerveja feita de milho, pedras de moer, sementes, ferramentas”, disse Rustin.

READ  EXCLUSIVO: Os EUA e a Rússia usaram sua linha direta militar apenas uma vez até agora durante a Guerra da Ucrânia

Ele acrescentou que era surpreendente que todas as cidades fossem cortadas por ruas largas e retas – “tal como em Nova Iorque”.

Algumas cidades têm um grande beco central onde as pessoas das aldeias vizinhas se reúnem, disse Rustin, comparando essas ruas com as ruas da antiga cidade de Teotihuacan, no atual México.

Rustin especulou que vários milhares de pessoas podem ter comparecido a tais ocasiões festivas, embora tenham sido realizadas análises mais aprofundadas para estimar o número de pessoas que vivem na área.

Alguns dos montes têm até 10 metros (33 pés) de altura, sugerindo que não eram casas, mas áreas comuns para rituais ou festivais.

Os pequenos campos mostram que a comunidade agrícola “explorou o menor espaço vazio para garantir que daria frutos”, disse Rustin.

Ele ressaltou que todas essas conquistas exigiram que líderes, planejadores e engenheiros planejassem as estradas.

O que aconteceu com o até então desconhecido povo Obano – que recebeu esse nome pelos pesquisadores – é desconhecido.

Acredita-se que a construção dos primeiros montes tenha começado entre 500 aC e 300-600 dC, na época do Império Romano.

Outras grandes aldeias descobertas na região amazônica datam de entre 500 e 1.500 dC, de acordo com o estudo publicado na revista Science na quinta-feira.

Esta rede de cidades é “muito mais antiga e muito maior”, disse Rustin.

Ele acrescentou que a descoberta mostra que “não existiam apenas sociedades de caçadores-coletores na Amazônia, mas também populações urbanas complexas”.

Rustin disse que “uma espécie de arrogância ocidental” há muito sustentava que era impossível – antes da colonização europeia – que as pessoas na Amazônia fossem capazes de construir uma sociedade tão complexa.

READ  Guerra da Ucrânia: Kiev não ataca terras russas - Zelensky

“É hora de reconsiderar esta visão degradante do povo amazônico.”

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *