Erdogan disse que a Suécia e a Finlândia deveriam enviar até 130 “terroristas” à Turquia para participar da OTAN

ANCARA (Reuters) – O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que a Suécia e a Finlândia devem deportar ou extraditar até 130 “terroristas” para a Turquia antes que o parlamento turco aprove sua candidatura para ingressar na Otan.

Os dois países escandinavos se inscreveram no ano passado para ingressar na OTAN após a invasão da Ucrânia pela Rússia, mas suas ofertas devem ser aprovadas por todos os 30 estados membros da OTAN. A Turquia e a Hungria ainda não ratificaram os pedidos.

A Turquia disse que a Suécia, em particular, deveria primeiro assumir uma postura mais clara contra o que vê como terroristas, principalmente militantes curdos e o grupo que culpa pela tentativa de golpe de 2016.

“Dissemos olhe, então se você não entregar seus terroristas para nós, não seremos capazes de aprová-lo (aprovando o pedido da OTAN) pelo parlamento de qualquer maneira”, disse Erdogan em comentários no final do domingo, referindo-se à mídia conjunta. A conferência que ele teve com o primeiro-ministro sueco Ulf Christson em novembro passado.

“Para que isso seja aprovado no parlamento, primeiro é preciso entregar 100, cerca de 130 desses terroristas para nós”, disse Erdogan.

Políticos finlandeses interpretaram o pedido de Erdogan como uma resposta furiosa a um incidente em Estocolmo na semana passada, no qual uma efígie do líder turco foi pendurada durante o que parecia ser um pequeno protesto.

“Isso deve ter sido uma reação, eu acho, aos eventos dos últimos dias”, disse o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, ao canal público YLE.

Haavisto disse que não estava ciente de nenhuma nova exigência oficial da Turquia.

Em resposta ao incidente em Estocolmo, a Turquia cancelou uma visita programada a Ancara do presidente do parlamento sueco, Andreas Norlin, que em vez disso veio a Helsinque na segunda-feira.

READ  França corre risco de impasse após Macron entregar parlamento suspenso

“Enfatizamos que na Finlândia e na Suécia temos liberdade de expressão. Não podemos controlá-la”, disse o presidente do Parlamento finlandês, Matti Vanhanen, a repórteres em uma coletiva de imprensa conjunta com Norlin.

Por outro lado, o primeiro-ministro sueco Christerson disse na segunda-feira que seu país está em uma “boa posição” para garantir a ratificação da Turquia de seu arquivo da OTAN.

Ibrahim Kalin, porta-voz de Erdogan, disse no sábado que o tempo estava se esgotando para o parlamento turco ratificar as propostas antes das eleições presidenciais e parlamentares previstas para maio.

Reportagem de ACE Toxabay. Edição por Jonathan Spicer e Gareth Jones

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.