EUA dizem ter informações confiáveis ​​sobre “lista de assassinatos” da Rússia em possível invasão da Ucrânia

“Informações perturbadoras recentemente obtidas pelos Estados Unidos indicam que violações e abusos de direitos humanos estão sendo planejados na sequência de outra invasão”, disse a embaixadora Bethsheba Neil Crocker, representante dos Estados Unidos no Escritório das Nações Unidas e outras organizações internacionais em Genebra, em uma carta. a Michelle Bachelet, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

“Essas ações, que em operações russas anteriores incluíram assassinatos seletivos, sequestros/desaparecimentos forçados, prisões injustas e uso de tortura, provavelmente atingirão aqueles que se opõem às ações russas, incluindo dissidentes russos e bielorrussos no exílio na Ucrânia, jornalistas e dissidentes, corrupção e grupos populacionais vulneráveis, como minorias religiosas e étnicas e pessoas LGBT”. Washington Post E foi obtido pela CNN.

“Especificamente, temos informações confiáveis ​​indicando que as forças russas estão trabalhando para criar listas de ucranianos que foram identificados por matar ou enviados para campos após a ocupação militar. Também temos informações confiáveis ​​de que as forças russas provavelmente usarão medidas letais para dispersar protestos pacíficos. ou uma resposta pacífica. .os exercícios de resistência percebidos da população civil”, afirmou a carta.

A carta não dizia como os Estados Unidos obtiveram a informação. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos confirmou que recebeu a carta.

Crocker acrescentou que o objetivo de compartilhar essas informações com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos é dar “alerta precoce de que outra invasão russa da Ucrânia pode levar a um desastre de direitos humanos”. Ela disse que o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, levantou essas preocupações ao Conselho de Segurança em 17 de fevereiro. “Em particular, ele afirmou que os Estados Unidos tinham informações indicando que a Rússia teria como alvo grupos específicos de ucranianos”, acrescentou Crocker.

READ  Rússia pode ser excluída do acordo da OPEP, 4 especialistas discutem os efeitos

O Kremlin negou na segunda-feira a alegação sobre a lista de assassinatos, chamando-a de “ficção absoluta”.

“Isso é uma farsa absoluta, é uma mentira”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à CNN. Instando-o se ele estava ciente de tal lista, Peskov disse: “Eu sei que isso é uma fantasia absoluta, não existe tal lista, é uma notícia falsa”.

CNN informou Na sexta-feira, vários funcionários do governo dos EUA e do Ocidente confirmaram à CNN que os EUA tinham informações de que a Rússia havia preparado listas de figuras políticas atuais que teria como objetivo remover se invadisse a Ucrânia e derrubasse o atual governo em Kiev.

Fontes familiarizadas com a inteligência disseram que as listas direcionadas fazem parte do planejamento russo para substituir o atual governo em Kiev por um governo mais amigável à Rússia, reforçando a divulgação anterior do governo britânico de números pró-Moscou que a Rússia disse que planeja instalar.

Essas fontes disseram à CNN que o resultado mais provável para os políticos e figuras públicas que Moscou visava derrubar no caso da queda de Kiev é prisão ou assassinato.

A CNN não viu objeções de inteligência primária ou documentos identificando os nomes dos alvos ou supostos colaboradores e suas supostas posições na administração pró-Rússia.

Blinken disse no programa “Face the Nation” da CBS no fim de semana que os Estados Unidos continuariam a apoiar os ucranianos no caso de uma invasão e deixariam a insurgência ucraniana para lutar.

“(O presidente Joe Biden) disse que, no caso de uma invasão, dobraríamos nosso apoio à Ucrânia, e isso significa em termos de assistência de segurança, assistência econômica, assistência diplomática, ajuda política, ajuda humanitária, o que for.” disse Blink.

READ  Sherine Abu Aqla: correspondente da Al-Jazeera foi morto a tiros pela ocupação | Notícias do conflito israelo-palestino

Chandelles Duster da CNN, Zina Saifi e Bear Hutchison contribuíram para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.