EUA tentam conquistar membros neutros da ONU sobre a guerra na Ucrânia | Ucrânia

Os Estados Unidos lançaram uma nova tentativa de conquistar a abstenção e os países neutros, instando-os a não se deixarem enganar pelos apelos russos por um cessar-fogo temporário ou incondicional na Ucrânia, alertando que o plano de paz proposto pela China recebeu uma “falsa paridade” ao convidar ambos . Os dois lados para parar de lutar.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, falava em uma reunião altamente carregada do Conselho de Segurança das Nações Unidas, lembrando a colegas diplomatas que apenas um ano atrás o enviado russo rejeitou suas advertências de que Moscou estava prestes a iniciar uma invasão à Ucrânia.

Blinken estava falando no dia seguinte depois que mais de 40 nações na Assembleia Geral se recusaram a se juntar a outras 141 para apoiar uma moção que pedia que a Rússia se retirasse incondicionalmente da Ucrânia. Uma feroz batalha diplomática está em andamento para convencer muitas dessas nações neutras de que abster-se de votar ou pedir a paz a qualquer custo equivale a endossar uma invasão russa.

Diante do novo pedido chinês de cessar-fogo, Blinken alertou que a Rússia aproveitaria qualquer pausa nos combates para consolidar seu controle territorial e reabastecer suas forças.

Ele exortou: “Não caia na falsa equação de pedir a ambos os lados que parem de lutar. Nenhum membro deste Conselho deveria pedir paz enquanto apoia a guerra da Rússia contra a Ucrânia e a Carta da ONU. Nesta guerra há um agressor e há uma vítima.” Blinken acrescentou: “Esta guerra é uma guerra de conquista. A verdade é que um homem começou esta guerra, Vladimir Putin, e um homem pode acabar com ela.”

O secretário de Estado disse ter ouvido “as preocupações de países que temem que ficar com a Ucrânia mude o foco e os recursos para pessoas necessitadas em outros países”. Mas “olhe para nossas ações”, disse ele, observando que “além dos US$ 13,5 bilhões em ajuda alimentar que os Estados Unidos forneceram para combater a fome alimentar, também financiamos 40% do orçamento do Programa Alimentar Mundial da ONU, com a Rússia contribuindo com menos de 1% desse orçamento.” Isso não é uma anomalia. Os Estados Unidos doam nove vezes mais do que a Rússia para as operações de manutenção da paz da ONU, 390 vezes mais para a UNICEF e 1.000 vezes mais para o ACNUR.”

READ  A guerra entre Israel e o Hamas: Biden acredita que o ataque do Hamas ocorreu por causa do papel dos Estados Unidos na melhoria das relações saudita-israelenses

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, que recebeu permissão para falar no início da discussão, apesar das objeções da Rússia, acusou Putin de usar o assento permanente da Rússia no Conselho de Segurança como um “trono de impunidade”.

Ataque a alegação da China de que o Ocidente estava adicionando combustível ao fogo ao fornecer armas à Ucrânia. Ele disse: a Ucrânia precisa de armas, assim como um bombeiro precisa de água para apagar um incêndio que destrói sua casa e mata pessoas inocentes. Quanto mais cedo conseguirmos mais, mais cedo o fogo será apagado. Armar um país que se defenderá da agressão é totalmente legítimo e é um ato em defesa da Carta da ONU”.

Kuleba também retratou a Rússia como uma força disruptiva não apenas na Europa, mas globalmente. A geografia dos crimes russos contra a paz e a segurança internacional se estende além das fronteiras da Ucrânia e atinge a África, a Ásia e o Oriente Médio. A Rússia não apenas incita conflitos, mas também obstrui sistematicamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU necessárias para resolvê-los.

Ele disse: “Ontem a Rússia argumentou que este conselho está excessivamente focado na Ucrânia e ignora os problemas do resto do mundo. Lembremo-nos todos da verdade. A Rússia é o problema do mundo.”

Ignorar a promoção de newsletters anteriores

A tensão entre a Rússia e a Ucrânia chegou a tal ponto que, quando Kuleba pediu um minuto de silêncio para lembrar as vítimas da agressão, o enviado russo Vasily Nebenzia se recusou a dizer que defenderia todos os mortos desde o início do conflito em 2014.

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, também pediu aos céticos que aceitem a noção de que a guerra é sobre princípios universais. Ele disse: “Os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas não são uma questão de conveniência. Há muitas palavras no papel, elas são a essência de quem somos. Elas refletem a missão motriz das Nações Unidas. Elas estão lá precisamente resolver qualquer reclamação, seja ela qual for.”

Nebenzia negou qualquer objetivo de destruir a Ucrânia, dizendo: “A Rússia só quer restaurar seu vizinho amigável que não quer reviver o nazismo ou agir como um ninho de vespas anti-russo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *