Exxon e Chevron relataram lucros modestos com a queda dos preços do petróleo

A ExxonMobil e a Chevron, as duas maiores empresas de petróleo dos Estados Unidos, relataram um crescimento relativamente modesto dos lucros na sexta-feira, pois foram forçadas a administrar seus negócios diante dos preços mais baixos do petróleo e do gás natural.

O desempenho lento, mas ainda forte, seguiu-se a ganhos recordes em 2022, quando a invasão da Ucrânia pela Rússia fez disparar os preços dos combustíveis fósseis durante a maior parte do ano. Até o final de 2022, a menor demanda por combustível na Europa e na Ásia ajudou a baixar os preços. As refinarias continuaram com bom desempenho, o que ajudou a Exxon e a Chevron a aumentar suas receitas.

A Exxon registrou lucro de US$ 11,4 bilhões no primeiro trimestre, ante US$ 5,95 bilhões no ano anterior. Mas está abaixo dos US$ 12,8 bilhões alcançados no quarto trimestre de 2022.

A Chevron se saiu um pouco melhor, registrando lucros de quase US$ 6,6 bilhões no primeiro trimestre, uma melhoria em relação aos US$ 6,3 bilhões do ano anterior e US$ 6,4 bilhões no quarto trimestre de 2022.

O CEO da Exxon, Darren Woods, expressou confiança no futuro, embora tenha dito que as perspectivas globais para os mercados de energia dependeriam fortemente da recuperação econômica da China.

“A demanda de gasolina parece muito razoável”, disse Woods. “A demanda por aeronaves e transporte parece estar aumentando. As perspectivas parecem muito saudáveis.”

A demanda por gasolina, diesel e outros combustíveis aumentou à medida que a economia global emerge da desaceleração da pandemia em 2020 e 2021. Mas, apesar dos preços mais altos do petróleo e dos combustíveis na maior parte do ano passado, ambas as empresas têm sido cautelosas quanto ao aumento do investimento para aumentar a produção.

READ  Equipe jurídica de Musk demitirá o denunciante Peter Zatko no caso do Twitter

Embora ambas as empresas tenham aumentado a produção nos últimos dois anos na Bacia do Permiano, que abrange o Texas e o Novo México, a produção recente da Chevron ficou aquém das expectativas anteriores. Ambos se concentraram mais em devolver dinheiro aos acionistas por meio de aumento de dividendos e recompra de ações.

“Embora os mercados de commodities permaneçam incertos, nossa abordagem permanece inalterada”, disse Mike Wirth, CEO da Chevron. “Aplicar a disciplina de capital e custo às vantagens dos ativos, tanto no negócio de energia tradicional quanto no novo, significa um retorno constante de caixa para os acionistas.”

A Exxon continua aumentando a produção nas águas profundas da Guiana e anunciou esta semana que prosseguirá com um quinto projeto lá, que espera produzir 250.000 barris de petróleo por dia a partir de 2026.

Exxon, Chevron e outras empresas de petróleo surgiram desde 2022 com lucros recordes, depois que a invasão russa da Ucrânia em fevereiro fez disparar os preços do petróleo bruto e do gás natural. Mas os preços dos combustíveis fósseis diminuíram gradualmente desde então, apesar dos declínios nos estoques de petróleo dos EUA, porque os investidores estão cada vez mais convencidos de que a economia global e a demanda por energia estão diminuindo.

Nos últimos dias, o preço do petróleo caiu abaixo de US$ 80 o barril, após um salto para mais de US$ 120 em junho passado. Os preços se estabilizaram ligeiramente depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) concordou com a Rússia e seus aliados no início deste mês para reduzir a produção de petróleo bruto em 1,2 milhão de barris por dia até o final do ano. Os cortes reais foram cerca de metade desse valor, uma queda de menos de 1% na oferta global.

READ  A falência do banco do Vale do Silício tem ramificações globais

Os suprimentos continuam fortes. As exportações russas de petróleo e gás não diminuíram tanto quanto os especialistas esperavam depois que os países europeus começaram a comprar menos. Isso ocorre porque China, Índia e outros países em desenvolvimento compram mais petróleo e gás russos.

Os preços globais de GNL caíram 45% desde o início do ano. Nos Estados Unidos, os preços da gasolina regular caíram cerca de 12% e os preços do diesel 14% nos últimos 12 meses, de acordo com o clube automotivo AAA. A demanda global por petróleo e GNL ainda está aumentando, mas lentamente.

A queda nos preços dos combustíveis fósseis se deve em parte ao clima excepcionalmente quente no Hemisfério Norte e especialmente na Europa no inverno passado, que reduziu a demanda por gás natural e óleo para aquecimento. Mas o temor de que a desaceleração econômica global reduza a atividade manufatureira convenceu muitos traders de que os preços continuarão caindo.

Há outras razões para a fraca demanda por gasolina nos próximos anos. Esta semana, a Agência Internacional de Energia projetou que um em cada cinco carros novos vendidos este ano será elétrico, ante 2% há quatro anos. A organização disse que as vendas de carros movidos a bateria vão acelerar ao longo da década na China, nos Estados Unidos e na Europa.

Wirth disse que, embora a demanda por diesel tenha caído, a demanda por combustível de aviação aumentou. “A demanda por gasolina basicamente voltou aos níveis pré-pandêmicos globalmente”, disse ele. “Na Ásia, vemos a demanda voltando à medida que a China continua se abrindo e aumentando a mobilidade.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *