G7 pede pressão sobre a Rússia para acabar com a guerra na Ucrânia, respeitar o status de Taiwan e respeitar as regras de comércio justo

HIROSHIMA, Japão (AP) — O Grupo das Sete democracias ricas Unidos em instar a China a encerrar sua guerra na Ucrânia e resolver pacificamente os conflitos regionais, a China recuou.

Em uma declaração conjunta, os líderes do G7 disseram que não querem prejudicar a China e querem “relações construtivas e estáveis” com Pequim, enfatizando que “reconhecem a importância de se envolver sinceramente com a China e expressar nossas preocupações diretamente à China”.

“Pedimos à China que pressione a Rússia para que pare sua agressão militar. Retire suas forças da Ucrânia imediatamente, completa e incondicionalmente”, disse o comunicado no sábado. “Encorajamos a China a apoiar uma paz abrangente, justa e duradoura baseada na integridade territorial e nos princípios e objetivos da Carta da ONU”, incluindo negociações diretas com a Ucrânia.

A cooperação com a China é necessária devido ao seu papel global e tamanho econômico para trabalhar juntos em desafios como mudança climática, perda de biodiversidade, dívida e necessidades de financiamento de países vulneráveis, preocupações com a saúde global e estabilidade econômica.

Mas os líderes expressaram “profunda preocupação” com a situação nos mares do Leste e do Sul da China, onde Pequim está expandindo sua presença militar e ameaçando usar a força para afirmar seu controle sobre a autogovernada Taiwan. Eles pediram uma “resolução pacífica” da reivindicação da China a Taiwan, que permanece sem solução desde que os comunistas tomaram o poder na China continental em 1949.

A declaração disse que “as extensas reivindicações marítimas da China no Mar da China Meridional não têm base legal e nos opomos às atividades de militarização da China na área”.

“Uma China em ascensão que segue as regras internacionais seria do interesse global”, disse o relatório, apontando para as acusações de que Pequim está minando a “ordem internacional baseada em regras”.

READ  Partido do líder apoiado pela China, Mohamed Muisu, obtém vitória esmagadora nas eleições parlamentares das Maldivas

O G7 está unido em expressar preocupações sobre os direitos humanos na China, incluindo o Tibete, Hong Kong e as regiões do extremo oeste de Xinjiang, onde a questão do trabalho forçado é um problema perene.

Mas o relatório também procurou refutar as acusações de que o G7 está tentando bloquear a ascensão da China como potência mundial.

“Nossas abordagens políticas não são projetadas para prejudicar a China, nem procuramos impedir o progresso e o desenvolvimento econômico da China”, afirmou. O relatório destaca o consenso de que os esforços para diversificar as cadeias de suprimentos de manufatura e garantir o acesso sustentável a minerais e outros recursos estrategicamente importantes não visam desfazer os laços comerciais com a segunda maior economia do mundo.

“Não estamos cortando ou voltando para dentro”, disse o comunicado. “Ao mesmo tempo, reconhecemos que a resiliência econômica requer redução de riscos e diversificação. Tomaremos medidas para investir em nossa própria recuperação econômica individual e coletivamente. Reduziremos a dependência excessiva de nossas cadeias de suprimentos críticas.”

Ao mesmo tempo, os membros do G7 se comprometeram a se posicionar contra várias formas de “coerção econômica”, “opondo-se a práticas nocivas, como transferência ilegal de tecnologia ou divulgação de dados”, enquanto “evitando comércio injusto e restrições de investimento”.

As autoridades chinesas reagiram com raiva a vários relatórios do G7 sobre coerção econômica e outras questões.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que o G7 está usando questões relacionadas à China para difamar e atacar a China e interferir descaradamente nos assuntos internos da China. A China condena fortemente e se opõe firmemente a isso e emitiu fortes reprimendas ao Japão, o anfitrião da cúpula, e outras partes envolvidas.

“O G7 deveria parar de apontar dedos para a China em Hong Kong, Xinjiang e Tibete e dar uma olhada em sua própria história e registros de direitos humanos”, disse.

READ  Estados que apoiam o horário de verão o ano todo

Taiwan, por sua vez, agradeceu o apoio do G7.

“Taiwan estará com as democracias e sociedades do mundo para cooperar na mitigação de riscos”, disse seu presidente, Tsai Ing-wen, no sábado. “Agora, o consenso em todo o mundo é muito claro de que questões transversais devem ser resolvidas pacificamente. A guerra não é uma opção”, disse ele em entrevista coletiva.

Além do Japão, anfitrião da cúpula anual deste ano, o G7 inclui Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Canadá e Itália, além da União Européia.

A declaração do G7 foi divulgada no segundo dia da cúpula de três dias. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, chegou a Hiroshima no sábado para participar das reuniões marcadas para domingo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *