Hackers, enfermeiras e Arnold: por dentro da luta para obter informações sobre a guerra na Ucrânia para os russos

O Departamento de Estado criou uma conta no Telegram, um aplicativo de mensagens popular entre os russos, quatro dias após a guerra na Ucrânia, na qual ficou claro que Washington estava perdendo a oportunidade de interagir com os russos, disse um alto funcionário do Departamento de Estado à CNN.

Uma série de postagens na conta em língua russa amplificaram as denúncias do presidente Joe Biden sobre a guerra e alertaram os russos sobre a máquina de propaganda russa.

“Muito antes de o Kremlin lançar sua invasão massiva da Ucrânia, intensificou sua campanha de desinformação e censura à mídia independente e continua a fazê-lo mesmo durante a guerra de agressão”, disse o ministério em sua conta do Telegram na quinta-feira.

O manuseio russo da conta do Telegram do Departamento de Estado até agora parece ser bastante modesto – a conta tinha 1.911 assinantes na tarde de sexta-feira, horário de Moscou, e a população total do país é de cerca de 142 milhões.

Analistas dizem que é improvável que qualquer plataforma ou campanha de mensagens penetre no público russo de forma significativa. Mas o objetivo comum de um grupo de atores tentando romper a Cortina de Ferro digital é eliminar, cumulativamente, o apoio público russo à guerra e o moral dos soldados russos.

O Departamento de Estado também tem uma conta na plataforma de mensagens russa VK, criou um site para refutar a desinformação russa nas últimas semanas e tem trabalhado para atrair funcionários dos EUA para plataformas de transmissão em russo, disse o funcionário.

Não é uma “bala de prata”

“Nada disso é uma bala de prata”, disse o funcionário do Departamento de Estado, reconhecendo o formidável muro de censura da Rússia, que acesso proibido Para Twitter e Facebook.

Mas alguns críticos apontaram que o governo dos EUA precisa fazer mais e procurar imitar os esforços maciços de propaganda da Guerra Fria, quando recursos significativos foram dedicados a enviar mensagens ao povo soviético.

READ  Assista a imagens de surf do furacão Fiona do topo de uma onda de 50 pés

As autoridades russas prenderam milhares de pessoas que protestavam contra a guerra na Ucrânia. O jornalista da TV estatal russa que interrompeu uma transmissão ao vivo na segunda-feira com uma placa dizendo “Não à guerra” foi preso e multado em US$ 270, mas ainda pode ser preso.

“Este é um verdadeiro calcanhar de Aquiles para Putin”, disse James Clapper, que atuou como diretor de inteligência nacional do presidente Barack Obama, à CNN. Ele disse que o governo dos EUA deveria usar qualquer plataforma de mídia social disponível para levar fotos de soldados russos mortos e prisioneiros de guerra aos cidadãos russos.

Vários prisioneiros de guerra russos compareceram em conferências de imprensa realizadas pelas autoridades ucranianas. Esta pode ser uma prática questionável sob a Convenção de Genebra, que proíbe os Estados de causar humilhação desnecessária aos prisioneiros de guerra.

“Esse tipo de coisa se presta a ações secretas por parte do governo dos Estados Unidos”, disse Clapper. “Eu confio e espero fazer algo nesse sentido.”

Os serviços de inteligência dos EUA monitoram de perto a opinião pública na Rússia, mas não está claro se há algum planejamento em andamento para realizar qualquer forma de operações de informações confidenciais.

“Estamos observando o que está acontecendo na Rússia”, disse uma fonte ocidental familiarizada com a inteligência, acrescentando que ainda não estava claro se a opinião pública estava rompendo com a guerra ou contra ela.

Existem maneiras menos ambíguas de apoiar o livre fluxo de informações para a Rússia.

Alina Polyakova, chefe do Centro de Análise de Políticas Europeias, sem fins lucrativos, disse que a conta no Telegram do Ministério das Relações Exteriores foi “um passo na direção certa, mas francamente não suficientemente criativa”.

Polyakova, que cresceu em Kiev na década de 1980, disse que os russos hoje não parecem confiar na mídia ocidental ou em funcionários do governo como fontes de informação, como fizeram nos últimos dias da Guerra Fria.

READ  Lituânia diz que sanções sobre mercadorias com destino a Kaliningrado estão em vigor

“Nós realmente precisamos ser mais criativos ao pensar sobre quem são os mensageiros apropriados”, acrescentou ela, referindo-se a vários jornalistas que fugiram da Rússia nas últimas semanas, pois o Kremlin criminalizou reportagens independentes sobre a guerra na Ucrânia.

Polyakova disse que governos ocidentais e organizações de caridade agora têm uma “grande oportunidade” de apoiar esses jornalistas, pois eles provavelmente continuarão reportando do exterior e alcançando o público russo que confia neles.

Devemos trazer-lhes notícias reais

À medida que o Departamento de Estado envia mensagens cuidadosamente redigidas aos cidadãos russos, um grupo solto de hackers voluntários da Ucrânia e de outros lugares está se tornando cada vez mais conflituoso.

O chamado exército de TI ucraniano, que Kiev encoraja ativamente, pesquisou para hackear sites de notícias russos e divulgar informações sobre perdas russas na Ucrânia, de acordo com Igor Oshev, um executivo de segurança cibernética ucraniano que disse ter ajudado a organizar o grupo de hackers em massa em nome de o Ministério da Defesa ucraniano.

Oshev disse por telefone da Ucrânia que os cidadãos russos “não sabem muito sobre o que está acontecendo aqui”. “É por isso que decidimos que um dos objetivos mais importantes deveria ser a mídia. Devemos dar a eles as notícias reais.”

Mas atingir um público russo não requer invadir um computador. Os americanos estão entre as muitas pessoas que enviaram mensagens de texto aos russos usando um site criado por um grupo internacional de programadores voluntários conhecido como Squad303.

Stacy McCoy, enfermeira da Flórida, enviou quase 100 mensagens de texto e centenas de e-mails para russos usando a plataforma. Ela começou a personalizar as mensagens com sua voz, dizendo que Moscou estava mentindo para seus cidadãos e que a guerra havia matado civis.

Até agora, Maki recebeu apenas três respostas: “Pare de trabalhar”, “A Crimeia é nossa” e uma resposta ameaçando “Envie sua mensagem para as autoridades competentes! Pare de fazer essas ligações!”

READ  Kate Middleton e príncipe William elogiam leoas 'brilhantes' que enlouquecem os fãs | Real | Notícia

As respostas hostis de Mackey não foram dissuadidas.

A Rússia atacou Lviv.  Eis por que a cidade ocidental é tão importante para a defesa da Ucrânia

“Acho que é melhor ser proativo, tomar uma posição, mesmo que seja uma questão pequena, tentar influenciar a situação geral”, disse ela à CNN.

Americanos mais proeminentes estão se juntando à causa.

Schwarzenegger, a estrela de “Exterminador do Futuro” e ex-governador da Califórnia, dirigiu-se ao “povo russo” em um vídeo com legendas em russo que ele postou na quinta-feira para 5 milhões de seguidores no Twitter e mais de 19.000 assinantes do Telegram.

“Espero que você me permita contar a verdade sobre a guerra na Ucrânia e o que está acontecendo lá”, disse Schwarzenegger antes de detalhar o bombardeio russo à maternidade ucraniana.

Não ficou imediatamente claro quanta tração o vídeo de Schwarzenegger pode ter tido na Rússia. Mas na sexta-feira, o termo “Arnie” entrou na lista dos 10 principais tópicos de tendências do Twitter na Rússia, e vários tópicos com o vídeo de Schwarzenegger foram acompanhados de elogios e críticas dos usuários do Twitter.

Uma fonte próxima a Schwarzenegger disse à CNN que o ex-fisiculturista fez o vídeo por conta própria e não foi solicitado pelo governo dos EUA a fazê-lo.

Mas a conta do Telegram do Departamento de Estado não perdeu tempo em compartilhar o vídeo, e outros no ecossistema de informações seguiram o exemplo.

Blake Ferrell, um encanador de Indiana, disse à CNN que enviou um vídeo de Schwarzenegger para vários russos no Telegram e imagens estáticas do discurso do ator para outros russos através da plataforma de mensagens de texto Squad303.

Ferrell ainda não recebeu nenhuma resposta, mas quer continuar tentando alcançar um público russo.

“Para mim, é a emoção de alcançar outra pessoa”, disse ele.

Katie Bo Lillis e Dana Bach, da CNN, contribuíram para o relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.