Índia e Rússia falam sobre o acordo de livre comércio na escalada das relações

NOVA DÉLHI (Reuters) – O ministro do Comércio da Rússia disse nesta segunda-feira que a Índia e a Rússia estão discutindo um acordo de livre comércio, em uma declaração que pode aprofundar os laços comerciais bilaterais que floresceram desde o início da guerra na Ucrânia.

As negociações do FTA marcam uma escalada nas relações econômicas entre os dois países, apesar dos apelos dos países ocidentais para que a Índia se distancie gradualmente de seu fornecedor dominante de armas, a Rússia, durante a invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022.

As importações da Índia da Rússia mais do que quadruplicaram para US$ 46,33 bilhões durante o último ano fiscal, principalmente por meio do petróleo.

“Prestamos atenção especial às questões de acesso mútuo da produção aos mercados de nosso país”, disse o vice-primeiro-ministro russo Denis Manturov, que também é ministro do Comércio, em um evento em Nova Delhi.

“Juntamente com a Comissão Econômica da Eurásia, esperamos intensificar as negociações sobre um acordo de livre comércio com a Índia.”

O ministro das Relações Exteriores da Índia, S. Jaishankar, disse que a pandemia de Covid interrompeu as discussões sobre um acordo de livre comércio entre a Índia e a União Econômica da Eurásia, liderada pela Rússia, e que esperava que “nossos colegas percebessem isso … porque acreditamos que fazem uma diferença real em nosso relacionamento comercial”.

Manturov disse que materiais e equipamentos para construção de estradas, produtos químicos e farmacêuticos estão em demanda na Rússia e “tenho certeza de que isso criará oportunidades para as empresas indianas aumentarem seus suprimentos para a Rússia”.

O anúncio foi feito no momento em que Nova Délhi também está envolvida em discussões de acordos de livre comércio com a Grã-Bretanha, a União Européia e o Conselho de Cooperação do Golfo.

READ  O Conselho de Segurança da ONU espera uma reunião urgente em breve

A Reuters informou em novembro que a Rússia provavelmente está tentando importar mais de 500 produtos da Índia para setores-chave, incluindo carros, aviões e trens, uma vez que as sanções ocidentais impostas pela ação militar da Rússia na Ucrânia prejudicaram sua capacidade de manter indústrias essenciais funcionando.

Manturov também disse que a Rússia consideraria expandir o uso de “moedas nacionais e moedas de países amigos”. A Índia estava empenhada em aumentar o uso de sua moeda, a rupia, para o comércio com a Rússia.

A Rússia descreve sua campanha na Ucrânia como uma “operação militar especial” contra ameaças à segurança, enquanto a Ucrânia pró-ocidental a descreve como uma guerra de invasão não provocada.

Nova Delhi não criticou abertamente a invasão russa e pediu uma solução pacífica para o conflito por meio do diálogo. O comércio bilateral russo-indiano aumentou à medida que a guerra avançava.

A Rússia, tradicionalmente a principal fonte de equipamento militar da Índia, substituiu o Iraque no mês passado para se tornar o maior fornecedor de petróleo bruto da Índia. Antes da guerra que começou em fevereiro do ano passado, a Índia comprava muito pouco petróleo da Rússia.

Os esforços da Rússia para melhorar o comércio com a Índia fazem parte de sua estratégia para ajudar a evitar o impacto das sanções ocidentais, impulsionando o comércio com gigantes asiáticos, incluindo a China.

Moscou também está tentando aumentar ou manter a cooperação com outros países do sul da Ásia, concordando recentemente em fazer pagamentos em yuan para construir uma usina nuclear em Bangladesh e discutindo a redução das exportações de petróleo para o Paquistão.

Jaishankar disse que as empresas indianas podem se beneficiar da tecnologia russa e Nova Délhi está trabalhando para resolver pagamentos, certificados e logística.

READ  Ucrânia lança novo ataque contra a sede da frota russa no Mar Negro | Ucrânia

(Reportagem de Nidhi Varma). Edição por Kim Coghill

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *