Irmã do líder norte-coreano promete segunda tentativa de lançar satélite espião e critica reunião da ONU

A irmã do líder norte-coreano, Kim Jong Un, prometeu novamente no domingo pressionar por uma segunda tentativa de lançamento de um satélite espião, enquanto criticava uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o primeiro lançamento fracassado da Coreia do Norte.

A tentativa da Coréia do Norte de colocar seu primeiro satélite espião militar em órbita falhou na última quarta-feira Seu míssil caiu na costa oeste da península coreana. Uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas ainda foi convocada a pedido dos Estados Unidos, Japão e outros países para discutir o lançamento porque violou as resoluções do conselho que proíbem o Norte de realizar qualquer lançamento usando tecnologia balística.

No domingo, a irmã de Kim e alto funcionário do partido governista, Kim Yo Jong, chamou o conselho da ONU de “adido político” dos Estados Unidos, dizendo que sua última reunião foi convocada a “pedido de gângster” da América.

Ela acusou o conselho da ONU de ser “discriminatório e desavergonhado” porque só lida com lançamentos de satélites da Coreia do Norte enquanto milhares de satélites já lançados por outros países estão em operação. Ela disse que a tentativa de seu país de obter um satélite espião é um passo legítimo para responder às ameaças militares dos Estados Unidos e seus aliados.

“(A Coreia do Norte) continuará a tomar medidas proativas para exercer todos os direitos legítimos de um estado soberano, incluindo o direito de lançar um satélite de reconhecimento militar”, disse Kim Yo Jong em comunicado divulgado pela mídia estatal.

Em uma declaração anterior na sexta-feira, Kim Yo Jong disse que o satélite espião norte-coreano seria “colocado corretamente na órbita espacial em um futuro próximo”, mas não disse quando sua segunda tentativa de lançamento ocorreria.

READ  Rei Carlos III renuncia a receita herdada em troca da concessão de financiamento soberano para deveres oficiais

A agência de espionagem da Coreia do Sul disse aos legisladores na quarta-feira que provavelmente levará “mais de várias semanas” para a Coreia do Norte descobrir a causa do lançamento fracassado, mas que pode tentar um segundo lançamento em breve se os defeitos não forem graves.

Washington, Seul e outros criticaram o lançamento de um satélite pela Coreia do Norte por alimentar as tensões internacionais e instaram o país a retornar às negociações.

Um satélite de monitoramento militar está entre uma lista de sistemas avançados de armas que Kim Jong Un prometeu adquirir em meio a tensões de segurança de longa data com os Estados Unidos. Desde o início de 2022, Kim realizou mais de 100 testes de mísseis no que chamou de alerta de exercícios militares expandidos entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul.

Especialistas dizem que Kim vai querer usar seu arsenal de armamento moderno para extrair concessões de Washington e seus parceiros na futura diplomacia.

As Nações Unidas impuseram sanções à Coreia do Norte por causa de seus testes nucleares e de mísseis anteriores e lançamentos de satélites. Mas o Conselho de Segurança da ONU falhou em endurecer essas sanções sobre as recentes atividades de teste da Coreia do Norte porque a China e a Rússia, ambos membros permanentes do conselho da ONU, bloquearam as tentativas dos EUA e outros de fazê-lo. Durante a última sessão do Conselho das Nações Unidas na sexta-feiraChina e Rússia mais uma vez entraram em conflito com os Estados Unidos sobre o lançamento fracassado da Coreia do Norte.

Após repetidos fracassos, a Coreia do Norte colocou satélites de observação da Terra em órbita em 2012 e 2016, mas especialistas estrangeiros dizem que não há evidências de que os satélites tenham transmitido imagens e outros dados.

READ  Enviados sauditas e de Omã no Iêmen para negociações de paz com líderes houthis | notícias Houthi

A Coreia do Norte também ameaçou no domingo não notificar a Organização Marítima Internacional sobre futuros lançamentos de satélites com antecedência, em protesto contra a condenação do grupo aos testes de mísseis norte-coreanos.

O Comitê de Segurança Marítima da Organização Marítima Internacional adotou na quarta-feira uma rara resolução condenando a Coreia do Norte por lançar lançamentos sem a devida notificação que “ameaçam seriamente a segurança dos marítimos e da navegação internacional”.

“No futuro, a IMO deve saber e agir por conta própria durante o período de lançamento e ponto de impacto da transportadora de satélites (norte-coreana) e estar disposta a assumir a responsabilidade”, disse Kim Myong-chol, analista de assuntos internacionais da Coreia do Norte. em uma declaração veiculada pela mídia estatal, todas as conseqüências disso.

Antes do último lançamento do satélite espião, a Coreia do Norte disse à Organização Marítima Internacional e ao Japão que o lançamento aconteceria entre 31 de maio e 11 de junho.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *