Japão se prepara para despejar resíduos de Fukushima no Oceano Pacífico, irritando a China

(Bloomberg) — O Japão deve obter aprovação para drenar mais de 1 milhão de metros cúbicos de água tratada do local do desastre nuclear de Fukushima para o Oceano Pacífico, um plano polêmico que prejudicou as relações com vizinhos, incluindo a China.

Mais lidos da Bloomberg

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, deve visitar o Japão a partir de terça-feira para entregar um relatório final sobre a segurança da operação e se reunir com autoridades, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Yoshimasa Hayashi. Um regulador local também foi nomeado para emitir uma avaliação crítica.

Ambos os estudos estão se preparando para fornecer suporte para a Tokyo Electric Power começar a liberar água – equivalente em volume a cerca de 500 piscinas olímpicas – no mar, uma etapa necessária para permitir o descomissionamento completo do local de Fukushima após o terremoto e tsunami de 2011 que causou o pior desastre atômico do mundo desde Chernobyl.

O Japão garantiu a outros países que liberar a água é seguro, de acordo com as práticas padrão da indústria e é necessário, porque cerca de 1.000 tanques de armazenamento em Fukushima atingirão sua capacidade no início de 2024. Outros países com usinas nucleares já estão descarregando com segurança resíduos marinhos diluídos de forma semelhante, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica.

Também ocorre quando o Japão se junta a uma reavaliação global mais ampla da energia nuclear, com muitos países buscando aumentar a autossuficiência energética revivendo reatores quebrados, acrescentando usinas ou investindo em novas tecnologias. O primeiro-ministro Fumio Kishida visa melhorar o apoio doméstico à fonte de energia, e os esforços do Japão para concluir o fechamento do local de Fukushima são essenciais para inspirar confiança.

READ  Caminhoneiros canadenses reagem a Ontário para aliviar as restrições do COVID-19: 'Não é suficiente'

Leia mais: O renascimento da energia nuclear chega ao seu último colapso

Apesar do impulso diplomático do Japão, o plano de desmobilização complica algumas relações globais.

O oceano “não é o esgoto particular do Japão”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, no mês passado, alertando que o lançamento proposto traz riscos para os vizinhos do país e nações insulares do Pacífico. Wang chamou isso de um movimento egoísta que “põe em perigo os interesses comuns de toda a humanidade”.

Marcas de cosméticos japonesas foram alvo de uma campanha viral ligada ao caso que publicou alegações de segurança não comprovadas em plataformas de mídia social chinesas. Na Coreia do Sul, a demanda por sal marinho disparou à medida que os consumidores estocam o tempero em meio a preocupações de que vazamentos de esgoto possam contaminar suprimentos futuros.

Embora o governo central de Seul não tenha recuado publicamente dos planos do Japão, uma pesquisa de maio do jornal Yomiuri e do Hankook Ilbo da Coreia do Sul constatou que 84% dos entrevistados se opõem à desmobilização. O Partido Democrático, de oposição do país, liderou uma manifestação no sábado que supostamente atraiu cerca de 100.000 pessoas, de acordo com a agência de notícias Yonhap.

O Fórum das Ilhas do Pacífico, um grupo de 18 países incluindo Fiji, Papua Nova Guiné e Austrália, instou o Japão a considerar alternativas e pediu discussões adicionais sobre os riscos.

“Os medos e suspeitas das pessoas na região são reais, mas a liberação será tratada com segurança, não importa quão pequenos sejam os riscos”, disse Nancy Snow, uma renomada consultora de segurança em Tóquio e autora de um livro sobre diplomacia pública para o Japão. “Suas preocupações não podem ser tomadas de ânimo leve ou ignoradas.”

READ  O russo Wagner começa a retirar suas unidades de Bakhmut-Prigozhin

Natsuo Yamaguchi, líder do Partido Komeito do Japão, o partido júnior no governo de coalizão do país, disse que o esgoto não deve ser lançado durante o verão, quando os residentes usam as praias do país, de acordo com o relatório do Nikkei. O secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, disse na segunda-feira que o país manterá seu plano de começar a drenar a água no período de verão.

O Japão anunciou em 2021 que planeja liberar gradualmente cerca de 1,3 milhão de metros cúbicos de águas residuais tratadas da usina nuclear de Fukushima Daiichi que se acumulou no local desde 2011. A Tokyo Electric, ou TEPCO, recicla a água para manter os detritos e o combustível em os reatores nucleares destruídos esfriam.O líquido contaminado – junto com as águas subterrâneas e outras chuvas – é tratado para remover a maior parte dos elementos radioativos. Água tratada ainda contendo trítio foi coletada e armazenada.

A Tepco espera que a frota de cerca de 1.000 tanques de armazenamento atinja a capacidade máxima entre fevereiro e junho do próximo ano, e a instalação argumentou que não pode continuar liberando espaço para embarcações adicionais porque isso é necessário para outras partes do processo de descomissionamento. Armazenar água também traz riscos de vazamentos, que são exacerbados pelo status do país como um dos mais propensos a terremotos.

Em um de seus relatórios iniciais em abril, a AIEA disse que a TEPCO levou em consideração questões levantadas em análises de segurança anteriores e “fez progressos significativos na atualização de seus planos”, indicando que a agência provavelmente concederia a aprovação final. A AIEA disse na sexta-feira que Grossi visitará Fukushima durante sua viagem ao Japão e abrirá um escritório da AIEA no local.

READ  Número de mortos aumenta no Irã à medida que protestos se intensificam

A Tepco planeja misturar o líquido tratado com água do mar para diluir a concentração de trítio “bem abaixo” das diretrizes do governo japonês e da Organização Mundial da Saúde, antes de drená-lo para o oceano por um período de 40 anos por meio de um túnel submarino. O trítio tem uma meia-vida radioativa de pouco mais de 12 anos, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica.

O governo japonês ainda não definiu uma data específica para o início da liberação de água e disse que continuará conversando com as comunidades locais, incluindo o setor pesqueiro, em um esforço para aliviar suas preocupações.

A Agência Internacional de Energia Atômica disse anteriormente que a liberação de água de usinas nucleares é uma prática padrão e a maioria das operações em todo o mundo libera pequenas quantidades de trítio e outros materiais radioativos em rios e oceanos.

— com a ajuda de Ben Westcott, Heesu Lee e Andrew Janes.

(Atualizações com detalhes do protesto da Coreia do Sul, comentários do legislador japonês do oitavo parágrafo.)

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

© 2023 Bloomberg LP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *