Juiz diz que julgamento de documentos confidenciais de Donald Trump não será em breve

Um juiz federal da Flórida disse na sexta-feira que a proposta de um promotor para julgar Donald Trump sob a acusação de acumulação de documentos de segurança nacional já em 8 de julho era irrealista, enquanto os advogados do ex-presidente sugeriam 12 de agosto ou após as eleições de novembro.

A juíza distrital dos EUA, Eileen Cannon, agendou uma audiência para mapear opções de planejamento. Cannon não decidiu imediatamente, mas indicou que o caso não parecia estar à beira de um julgamento, dizendo aos promotores que havia “muito trabalho a ser feito”.

A decisão da Suprema Corte de ouvir o argumento de imunidade de Trump em outro processo criminal federal contra o ex-presidente pode deixar Cannon esperando pela decisão do tribunal superior na quarta-feira. Trump buscou imunidade de processo por pegar centenas de documentos confidenciais e mantê-los em sua casa, no Mar-a-Lago Club, em Palm Beach, Flórida.

O desafio de como gerir o acesso aos documentos confidenciais no centro do caso, e quem pode vê-los, atrasou os preparativos para o julgamento, que a Canon inicialmente agendou para 20 de maio.

Jack Smith, conselheiro especial do Departamento de Justiça, pediu um ritmo acelerado para garantir uma decisão antes das eleições. Ele propôs a data de início em 8 de julho e estabeleceu um cronograma para as audiências de pré-julgamento.

“Este caso poderá ir a julgamento neste verão”, disse o advogado Jay Pratt, membro da equipe de Smith.

Os advogados de Trump, Todd Blanch e Christopher Kiss, apresentaram um calendário mostrando quais as datas esperadas do julgamento de Trump em seu julgamento em Nova York sob a acusação de falsificação de registros comerciais, que devem começar em 25 de março – e a Convenção Nacional Republicana em meados de julho – se isso acontecer. Linha do tempo de Smith.

READ  Clippers versus. Pelicans marcam, takeaways: Brandon Ingram vence New Orleans e vence L.A. 8º lugar.

De acordo com seus advogados, Trump “insiste veementemente que não pode ter uma audiência constitucionalmente justa este ano” tanto para o seu direito da Sexta Emenda de estar presente no julgamento quanto para o seu direito da Primeira Emenda de fazer campanha para o presidente.

Os advogados de Trump propuseram começar em 12 de agosto, se a audiência for realizada antes da eleição.

“Acreditamos firmemente que uma investigação pré-eleitoral é um erro e não deveria acontecer”, disse Blanche. “A solução mais fácil é iniciar esta investigação depois das eleições”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *