Kiev continua a pressionar o Ocidente a fazer mais à medida que a batalha no leste da Ucrânia se aproxima

  • Zelensky pede embargo de petróleo e busca armas
  • Imagens de satélite mostram um comboio indo para o sul
  • Túmulo de um civil foi encontrado perto de Kiev, disse uma autoridade
  • O governador disse que nove trens estão prontos para evacuar no leste

Kiev/BUZOVA, Ucrânia (Reuters) – A Ucrânia disse neste domingo que está buscando outra rodada de sanções da União Europeia contra Moscou e mais ajuda militar de seus aliados, enquanto se prepara para uma grande ofensiva russa no leste do país.

A Rússia não conseguiu capturar nenhuma cidade importante desde que lançou sua invasão em 24 de fevereiro, mas a Ucrânia diz que concentrou suas forças no leste para uma grande ofensiva e pediu que as pessoas fujam.

O presidente Volodymyr Zelensky disse no Twitter que conversou por telefone com o chanceler alemão Olaf Schulz sobre sanções adicionais, bem como mais defesa e apoio financeiro ao seu país. O gabinete de Zelensky disse que Zelensky discutiu com autoridades ucranianas as propostas de Kiev para um novo pacote de sanções da UE.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Em um discurso em vídeo na noite de sábado, Zelensky renovou seu pedido de um embargo completo aos produtos energéticos russos e mais armas para a Ucrânia.

A União Europeia proibiu na sexta-feira as importações de carvão russo, entre outros produtos, mas ainda não tocou nas importações de petróleo e gás da Rússia. Consulte Mais informação

O aumento das baixas civis levou a uma ampla condenação internacional e novas sanções, particularmente por centenas de mortes na cidade de Bucha, a noroeste de Kiev, que até pouco mais de uma semana havia sido ocupada pelas forças russas.

READ  Alemanha concordou em enviar armas pesadas para a Ucrânia após uma grande mudança de política

Uma autoridade ucraniana disse que uma sepultura com pelo menos dois corpos civis foi encontrada na vila de Buzova, perto de Kiev, na última descoberta relatada desde a retirada russa das áreas ao norte da capital.

Taras Dedic, chefe da comunidade Dmytrivka que inclui Buzova, falou anteriormente de dezenas de cadáveres ao falar à televisão ucraniana.

“No momento, enquanto falamos, estamos recuperando os corpos de dois moradores que foram mortos”, disse Dedic à Reuters por telefone.

“Há outras pessoas que não conseguimos encontrar. Elas podem estar em lugares diferentes, mas isso não diminui a dor de perder entes queridos.”

A Reuters não pôde confirmar imediatamente a notícia.

Moscou rejeitou as acusações da Ucrânia e dos países ocidentais de crimes de guerra. Negou alvejar civis no que descreveu como uma “operação especial” para desarmar e “desarmar” seu vizinho do sul. A Ucrânia e os países ocidentais descartaram isso como uma desculpa infundada para a guerra.

O Ministério da Defesa do Reino Unido disse que a Rússia está tentando criar um corredor terrestre da Crimeia, que anexou em 2014, e da região leste de Donbass parcialmente controlada por separatistas apoiados por Moscou.

Imagens de satélite divulgadas pela empresa privada norte-americana Maxar em 8 de abril mostraram veículos blindados e caminhões em um comboio militar movendo-se para o sul em direção a Donbass através de uma cidade a 100 quilômetros a leste de Kharkiv.

READ  Líderes da zona ocupada pró-Moscou buscam se juntar à Rússia, Zelensky critica 'colaboradores'

Algumas cidades no leste estão sob bombardeio pesado e dezenas de milhares não conseguem evacuar.

Visitas de altos funcionários da UE nos últimos dias, o chanceler austríaco Karl Nahammer e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que prometeram mais ajuda militar e financeira e novas sanções, mostraram que a vida está voltando ao normal na capital. Consulte Mais informação

Nove trens

Mas no leste, os pedidos das autoridades ucranianas para que os civis fujam tornaram-se mais urgentes depois que um ataque com mísseis atingiu uma estação de trem na sexta-feira na cidade de Kramatorsk, na região de Donetsk, que estava cheia de pessoas tentando sair.

Autoridades ucranianas disseram que mais de 50 pessoas foram mortas.

A Rússia negou a responsabilidade, dizendo que os mísseis usados ​​no ataque foram usados ​​apenas pelos militares ucranianos. Os Estados Unidos dizem acreditar que as forças russas são responsáveis.

A Reuters não conseguiu verificar os detalhes do ataque.

O governador da região, Serhiy Gaidai, escreveu no serviço de mensagens Telegram que os moradores da região de Luhansk terão nove trens no domingo para partir.

Em sua homilia no Domingo de Ramos, o Papa Francisco pediu uma trégua de Páscoa na Ucrânia e, em uma aparente referência à Rússia, questionou o valor de colocar uma bandeira da vitória “em uma pilha de escombros”. Consulte Mais informação

A invasão russa forçou cerca de um quarto dos 44 milhões de ucranianos a deixar suas casas, reduziu cidades a escombros e matou ou feriu milhares.

No campo de batalha, o Ministério da Defesa da Ucrânia disse no domingo que suas forças armadas usaram mísseis Starstreak MANPAD de fabricação britânica pela primeira vez e destruíram um drone russo Orlan-10.

READ  Agência de ajuda humanitária de Minneapolis Alight envia equipe à Polônia para ajudar refugiados ucranianos

O Ministério da Defesa da Rússia disse que destruiu as plataformas de lançamento dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 ucranianos no aeroporto de Chuhiv e perto da vila de Starobogdanovka, na região de Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

A Reuters não conseguiu verificar esses relatórios.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem dos escritórios da Reuters) Texto de Michael Berry e Tomasz Janowski Edição de Robert Persell e Frances Kerry

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.