Lançamento da missão PREFIRE da NASA para estudar as regiões polares da Terra

Do laboratório de foguetes

Em uma foto de um vídeo, o foguete Electron da Rocket Lab decola do Complexo de Lançamento 1 em Mahia, Nova Zelândia, em 25 de maio.

Inscreva-se no boletim científico da Wonder Theory da CNN. Explore o universo com notícias de descobertas fascinantes, avanços científicos e muito mais.



CNN

A NASA lançou os dois primeiros satélites de pesquisa para medir a quantidade de calor perdido para o espaço no Ártico e na Antártica.

O satélite é do tamanho de uma caixa de sapatos Carregado no sábado Às 19h42, horário local (3h42 ET), a bordo de um foguete Rocket Lab Electron do Rocket Lab Launch Complex em Mahia, Nova Zelândia. A empresa confirmou que o satélite foi lançado com sucesso às 20h35, horário local (4h35 horário do leste).

A missão científica climática, conhecida como Polar Radiant Energy in the Far Infrared Experiment, ou PREFIRE, visa melhorar a compreensão dos cientistas sobre como o vapor de água, as nuvens e outros elementos da atmosfera da Terra retêm o calor e evitam que este se irradie para o espaço.

Laboratório de foguetes

Técnicos integram o PREFIRE na exposição de carga útil do Rocket Lab Electron na quarta-feira nas instalações da empresa na Nova Zelândia.

Os dados recolhidos beneficiarão os modelos climáticos e, esperamos, levarão a melhores previsões sobre como a crise climática irá afectar os níveis do mar, o clima, a neve e a cobertura de gelo. NASA disse.

A Terra absorve muita energia do Sol nos trópicos. As correntes climáticas e oceânicas movem essa energia térmica em direção aos pólos, onde o calor irradia para cima, para o espaço. Grande parte deste calor está nos comprimentos de onda do infravermelho distante e não foi medido sistematicamente antes, acrescentou a NASA.

READ  Cientistas encontram pé de mamífero dentro de dinossauro, fóssil primeiro

PREFIRE consiste em dois CubeSats equipados com sensores térmicos em miniatura especializados. A NASA disse que a data de lançamento do segundo satélite será anunciada logo após o lançamento do primeiro satélite.

Uma vez lançados, os dois satélites estarão em órbitas quase polares não sincronizadas, passando sobre um ponto específico em momentos diferentes e olhando para a mesma área com poucas horas de diferença um do outro.

Isso permitiria que os satélites coletassem dados sobre fenômenos que ocorrem em uma escala de tempo curta e exigem medições repetidas – como a forma como a quantidade de cobertura de nuvens afeta a temperatura do solo abaixo deles.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *