Líderes da UE reafirmam apoio à Ucrânia e brigam sobre limite de gás

  • Dividir por detalhes do teto do preço do gás
  • A Comissão Europeia apresenta propostas à Cimeira da UE de 20 a 21 de outubro
  • Polônia critica Alemanha por gastar muito em reparações
  • A 27ª União Europeia comprometeu-se a continuar a prestar apoio financeiro e militar à Ucrânia
  • Schulz diz que levará uma geração para reconstruir a Ucrânia

PRAGA (Reuters) – Líderes da União Europeia concordaram nesta sexta-feira em fornecer mais ajuda financeira e militar à Ucrânia, mas um dia inteiro de negociações no ornamentado castelo real de Praga parece não tê-los levado mais perto de decidir se ou como reduzir o gás. os preços.

A maioria dos 27 países da UE quer limites para os preços do gás, mas discordam dos detalhes, com opções que incluem um limite para todo o gás, um “corredor dinâmico” e um limite para o preço do gás usado especificamente para geração de energia ou para o gás russo só.

A União Europeia vem debatendo a questão há semanas, até agora sem resultado, embora os 27 países tenham concordado em outras medidas conjuntas para ajudá-los a enfrentar uma grave crise de energia, já que os preços descontrolados ameaçam causar uma recessão no bloco.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Todos concordam que precisamos reduzir os preços da energia, mas não há acordo sobre exatamente quais ferramentas usar para esse fim”, disse o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki.

O primeiro-ministro irlandês, Michael Martin, também disse que há “muito trabalho a ser feito” antes que um acordo seja alcançado.

O italiano Mario Draghi disse que a Comissão Europeia do bloco apresentará na próxima reunião de líderes da UE, em 20 e 21 de outubro, um pacote mais amplo de medidas de corte de preços de curto prazo e medidas de longo prazo para redesenhar o mercado de eletricidade.

READ  Expectativas iniciais mostram que Macron perde maioria absoluta no Parlamento

O limite faz parte de um conjunto de propostas e iniciativas apresentadas por países europeus para lidar com o declínio no fornecimento de gás da Rússia, que estava fornecendo 40% das necessidades da Europa, e os preços disparados. Ele caiu de seu pico este ano, mas ainda é mais de 200% maior do que era no início de setembro de 2021.

Alemanha, Dinamarca e Holanda se opõem a um limite, temendo que isso dificulte a compra do gás de que suas economias precisam e reduza qualquer incentivo para cortar o consumo.

À medida que surgem divergências entre os países da UE sobre formas de mitigar a crise energética, Berlim também criticou Varsóvia pelo plano de gastar até 200 bilhões de euros (US$ 196 bilhões) em subsídios para proteger consumidores e empresas alemãs do aumento dos custos de energia.

“O país mais rico e poderoso da União Européia está tentando explorar esta crise para obter uma vantagem competitiva para seus negócios no mercado único. Isso não é justo, não é assim que o mercado único deveria funcionar”, disse Morawiecki.

O chanceler alemão Olaf Schulz disse que a reunião esclareceu um “mal-entendido” sobre o acordo de Berlim, que ele defendeu como a coisa certa a fazer, acrescentando que França, Holanda e outros países também têm suas próprias medidas de apoio.

Uma geração para reconstruir a Ucrânia

Sete meses depois que a Rússia invadiu a Ucrânia – a ex-república soviética que agora quer se integrar ao Ocidente – o bloco conseguiu mostrar unidade ao prometer apoio contínuo à Ucrânia.

“Estamos determinados a mobilizar todas as ferramentas e meios possíveis para apoiar a Ucrânia com meios financeiros, apoio militar, apoio humanitário e, claro, apoio político”, disse o presidente da cúpula, Charles Michel.

READ  Próximo executivo-chefe de Hong Kong será pró-Pequim Jun Lee

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que o bloco apoiará a Ucrânia “pelo tempo que for necessário”.

Isso ocorreu depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky se dirigiu aos líderes da União Europeia por meio de um link de vídeo.

“A Rússia trouxe a guerra à nossa terra… E somente graças ao fato de que o povo ucraniano parou essa invasão da Rússia, a Rússia não pode mais levar a mesma guerra a outras partes da Europa, em particular aos estados bálticos, Polônia e Moldávia, ” disse Zelensky, de acordo com um texto em seu site na Internet.

Ele pediu mais sistemas aéreos para defender a infraestrutura energética da Ucrânia dos ataques russos, pressão internacional para retirar as forças russas da usina nuclear de Zaporizhzhya na Ucrânia ocupada e financiar a reconstrução da Ucrânia.

O principal diplomata do bloco, Josep Borrell, disse hoje cedo que queria que o bloco alocasse mais dinheiro para apoio militar à Ucrânia, inclusive para treinamento, e propostas específicas sobre isso poderiam ser aprovadas ainda este mês.

Schulz disse que a Alemanha daria uma importante contribuição para a missão de treinamento europeia, mas antes de uma conferência internacional em 25 de outubro em Berlim sobre o assunto, ele também alertou que a reconstrução da Ucrânia levaria uma geração.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Jan Strubchowski, Kate Abnett, Jason Houpt, Alan Charlech, Sabine Siebold, Michelle Rose, Michael Kahn, Paul Florkevich, Marin Strauss, Sudeep Kar-Gupta, Charlotte van Campenhout, Bart Meijer, Jan Lopatka, Robert Mueller e Sabine S .; Escrito por Gabriela Bachinska e Anthony Deutsch; Edição por Hugh Lawson e Jonathan Otis

READ  Notícias de Biden hoje: Harris diz que os EUA 'não querem mudança de regime', mas não dirá se concorda que Putin deve ir

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.