Luis Montenegro: Líder de centro-direita convidado a formar um governo minoritário

Fonte da imagem, Luta de ações

Comente a foto,

Luis Montenegro insistiu repetidamente que não trabalhará com o partido de extrema direita Chiga

O presidente português, o político de centro-direita Luis Montenegro, apelou à formação de um governo minoritário.

A Aliança Democrática venceu eleições antecipadas este mês, mas não conseguiu obter a maioria no Parlamento.

O partido recusou-se a trabalhar com o partido de extrema-direita Chega, que conquistou um número recorde de assentos.

Portugal, governado por socialistas desde 2015, tem agora o parlamento mais fragmentado desde o fim da ditadura, há meio século.

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa convidou Montenegro para se tornar primeiro-ministro pouco depois da meia-noite de quinta-feira, após consultar os líderes partidários.

“Com a Aliança Democrática a vencer as eleições em termos de estados e votos, e o Secretário-Geral do Partido Socialista a confirmar que seria o líder da oposição, o Presidente da República decidiu nomear o Dr. Luis Montenegro como Primeiro-Ministro .” Uma declaração emitida pelo gabinete presidencial afirmou.

O Partido Democrático Alternativo conquistou 80 assentos, muito aquém dos 116 assentos necessários para alcançar a maioria. O partido precisará do apoio dos Socialistas, que têm 78 cadeiras, ou do Chiga (Chega), que tem 50 cadeiras, para aprovar a legislação.

Montenegro recusou-se na quarta-feira a responder a perguntas sobre como formar uma maioria no parlamento antes de nomear os seus ministros.

Ele disse aos repórteres: “Todas as questões relacionadas à condução da atividade governamental serão abordadas quando houver um governo e serão comunicadas e esclarecidas quando houver um governo”. “Há uma maioria relativa, não uma maioria absoluta.”

O líder da AD insistiu repetidamente que não trabalhará com Chiga. O líder do partido, o antigo comentador desportivo André Ventura, espera desempenhar o papel de fazedor de reis no novo parlamento.

Ele sucederá a António Costa, do Montenegro, que lidera o Estado ibérico desde 2015 como líder do Partido Socialista. Mas ele renunciou há quatro meses em meio a alegações de corrupção, embora nunca tenha sido apontado como suspeito na investigação.

Os baixos salários e os aluguéis altos aumentaram a insatisfação dos eleitores com o governo de centro-esquerda.

READ  O Brasil vota no domingo. Aqui está o que você precisa saber

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *