Macron: Presidente russo Putin escolheu sozinho a guerra na Ucrânia

PARIS (Reuters) – O presidente da França, Emmanuel Macron, denunciou nesta quarta-feira as “mentiras” do governo russo para justificar a guerra na Ucrânia, mas disse que permanecerá em contato com o presidente Vladimir Putin para tentar garantir um cessar-fogo.

Macron, que liderou os esforços europeus para evitar a guerra visitando Putin em Moscou no mês passado e mediando por telefone entre o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e o líder russo, culpou o Kremlin pelas hostilidades.

“Apenas, traindo suas obrigações internacionais uma a uma, o presidente Putin escolheu a guerra”, disse Macron em um discurso nacional ao povo francês, elogiando Zelensky como o rosto da “honra, liberdade e coragem”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Esta guerra não é um conflito entre o Ocidente e a Rússia, como alguns de nós gostariam de acreditar. Não há base da OTAN na Ucrânia. São mentiras. A Rússia não é hostil, é o agressor. Esta guerra não é uma luta. contra o nazismo.. É uma mentira.”

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” destinada a desarmar a Ucrânia e prender os “neo-nazistas” que Putin diz comandar o país.

Macron, falando a menos de dois meses da eleição presidencial em que ainda não anunciou sua candidatura, disse que continuará defendendo os valores da França e seu lugar no mundo.

O presidente francês Emmanuel Macron é visto na tela fazendo um discurso sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, em Paris, França, em 2 de março de 2022. REUTERS/Piroshka van de Wou

Ele alertou que os preços mais altos da energia inevitavelmente teriam um impacto na economia francesa.

“Amanhã o preço de enchimento do tanque, a quantidade de contas de aquecimento e o custo de alguns produtos provavelmente serão mais altos”, disse ele.

Mas Macron disse que o custo não aparecerá apenas no curto prazo, acrescentando que a guerra na Ucrânia representa uma nova era, na qual a guerra na Europa é uma realidade.

READ  Europa adota sanções preliminares contra a Rússia por causa da crise na Ucrânia

“A guerra na Europa não está mais apenas nos livros de história, está aqui”, disse Macron. “A democracia não é mais inquestionável, está sendo desafiada diante de nossos olhos”.

Macron também disse que, ao contrário de seus planos domésticos de tornar a França menos dependente de fontes estrangeiras de energia por meio da construção de novas usinas nucleares, ele disse que pressionaria no nível europeu a União Europeia para reduzir sua dependência do gás russo.

“A guerra na Ucrânia é um descanso para nosso continente e nossa geração”, disse ele.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Relatório) de Tassilu Hamel e Sudeep Kar Gupta; Escrito por Michelle Rose; Edição por Richard Love e Toby Chopra

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.