Maduro ordena exploração “imediata” de petróleo, gás e minas em Essequibo, na Guiana

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu às empresas estatais do país que comecem “imediatamente” a explorar e explorar petróleo, gás e minas na região de Essequibo, na Guiana, uma área maior que a Grécia e rica em petróleo e minerais que a Venezuela cobre.

O anúncio ocorreu um dia depois de Maduro ter alcançado a vitória que procurava num referendo de fim de semana sobre a reivindicação ou não da soberania sobre a região.

Maduro disse que começaria “imediatamente” a “conceder licenças de operação para prospecção, aproveitamento de petróleo, gás e minas em toda a região de Essequibo”. Ele também ordenou a criação de subsidiárias locais de empresas públicas venezuelanas, incluindo a gigante petrolífera PDVSA e o conglomerado mineiro Corporación Venezolana de Guayana.

Não está claro como a administração Maduro pretende implementar a ideia de exercer jurisdição sobre o território assim que este for oficialmente declarado parte da Venezuela através de uma lei que a Assembleia Nacional controlada pelo partido no poder deverá discutir em breve.

Além do anúncio sobre a exploração de recursos em Essequibo, Maduro anunciou na terça-feira a criação de uma nova área abrangente de operações defensivas, “zode” em espanhol, para o setor disputado, semelhante aos comandos militares especiais que conduzem operações em diferentes regiões. do país. .

A área de 61.600 milhas quadradas (159.500 km quadrados) representa dois terços da área da Guiana. No entanto, a Venezuela sempre considerou Essequibo sua propriedade porque a região estava dentro das suas fronteiras durante o período colonial espanhol, e há muito que se opunha às fronteiras decididas por árbitros internacionais em 1899, quando a Guiana ainda era uma colónia britânica.

READ  Ucrânia diz que Rússia bombardeou hospital infantil em Mariupol

O compromisso da Venezuela em prosseguir a sua reivindicação territorial tem oscilado ao longo dos anos. O interesse aumentou novamente em 2015, quando a ExxonMobil anunciou que tinha encontrado petróleo em quantidades comerciais na costa de Essequibo.

A Guiana denunciou as ações da Venezuela e o referendo realizado no domingo como pretexto para a anexação dos territórios. O país recorreu ao Tribunal Internacional de Justiça, o mais alto tribunal da ONU, que na sexta-feira ordenou à Venezuela que não tomasse qualquer medida para alterar o status quo até que o painel possa decidir sobre as reivindicações concorrentes dos dois países, o que pode levar anos.

___ Acompanhe a cobertura da AP sobre a América Latina e o Caribe em https://apnews.com/hub/latin-america

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *