Michael Jackson: Casos de agressão sexual contra o espólio da estrela podem ser revividos, mostram documentos judiciais



CNN

Wade Robson e James Safechuck – dois homens que há muito alegam que o falecido Michael Jackson os abusou sexualmente quando eram crianças e que apareceram no documentário de 2019 “Leaving Neverland” – agora podem reviver seus processos arquivados contra Jackson. A propriedade, de acordo com um parecer do tribunal arquivado na sexta-feira e obtido pela CNN.

O Segundo Tribunal de Apelações da Califórnia decidiu na sexta-feira que “uma empresa que facilita o abuso sexual infantil por um de seus funcionários não está isenta de seu dever afirmativo de proteger essas crianças simplesmente porque pertence exclusivamente ao agressor”.

O resumo da sentença também afirmou: “Seria errado encontrar qualquer dever com base no fato de que a empresa ré tem apenas um acionista. Portanto, revertemos os julgamentos feitos pelas empresas.”

Tanto Robson quanto Safechuck fizeram alegações de abuso por parte de Jackson em relação a eles quando eram menores, após inicialmente contatar o artista profissionalmente.

Safechuk, aos oito anos, apareceu com Jackson em um comercial da Pepsi de 1986. e Robson, aos cinco anos, depois de vencer uma competição de dança quando Jackson se apresentou em Brisbane, Austrália.

Em Deixando Neverland, os dois explicam de maneira surpreendentemente semelhante como o suposto abuso sexual de Jackson deles escalou gradualmente ao longo de vários anos, acompanhado por sua suposta pressão sobre eles para não revelar o que estava acontecendo. (Leaving Neverland foi um documentário da HBO. A HBO, como a CNN, também faz parte da Warner Bros. Discovery.)

Jackson morreu em 2009, mas os queixosos estão pedindo indenização de duas empresas de entretenimento que, durante grande parte de sua existência, pertenceram e foram operadas por Jackson.

READ  Quem ganhou a Exposição Canina Nacional?

Os processos, que foram consolidados no Tribunal de Justiça, agora voltarão a julgamento.

“Estamos desapontados com a decisão do tribunal”, disse Jonathan Steinsaber, advogado do espólio de Michael Jackson, em comunicado à CNN, acrescentando posteriormente: “Estamos absolutamente confiantes de que Michael é inocente dessas acusações”.

“Estamos satisfeitos, mas não surpresos que o tribunal de apelações anulou” as decisões anteriores, que ele disse serem “inválidas” e “contraditórias com a lei da Califórnia”, estabelecendo um precedente perigoso para expor crianças ao risco em todo o estado e país. Estamos ansiosos para um julgamento sobre o mérito”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *