Ministro dos Negócios Estrangeiros sueco diz que o seu país está perto de aprovar a adesão à NATO

O chanceler sueco disse que seu país está cada vez mais próximo da ratificação do pedido da OTAN por um dos últimos redutos da aliança militar.

Vinte e oito dos atuais 30 membros da OTAN endossaram os pedidos de adesão da Suécia e da Finlândia desde que os dois países escandinavos apresentaram pedidos formais em maio. O Canadá foi o primeiro a endossar os pedidos.

Mas a Turquia – junto com a Hungria – ainda não aceitou as propostas. O governo turco disse que a Suécia precisa particularmente reprimir os curdos e outros grupos que Ancara considera terroristas.

A nova adesão à OTAN deve ser aprovada por todos os estados membros existentes.

O ministro das Relações Exteriores da Suécia, Tobias Billström, disse à CBC News Rosemary Barton ao vivo Em entrevista transmitida no domingo, os pontos de discórdia com a Turquia foram quase resolvidos.

assistir | O ministro das Relações Exteriores da Suécia discute a tentativa da OTAN:

Suécia e Finlândia suspenderam a ratificação da OTAN a partir do endosso da Turquia e da Hungria

Rosemary Barton Live fala com o ministro das Relações Exteriores da Suécia, Tobias Billström, em sua primeira entrevista canadense sobre o processo de ratificação da OTAN na Suécia e na Finlândia. A Turquia e a Hungria estão bloqueando sua adesão à aliança militar.

“Agora estamos muito perto do momento em que é hora de o parlamento turco iniciar o processo de ratificação”, disse Billstrom à apresentadora Rosemary Barton.

Suécia, Finlândia e Turquia assinaram um memorando trilateral em uma cúpula da OTAN em junho, preparando o terreno para o governo turco assinar os dois pedidos.

Billstrom disse que seu país apoiou “totalmente” sua parte desse acordo, mas observou que suas disposições devem se alinhar com a constituição sueca após o recente retrocesso da Turquia.

READ  As ações da Rússia na Ucrânia são um crime de guerra

Grupos pró-curdos e anti-OTAN complicaram as coisas para o governo sueco, realizando manifestações anti-turcas que irritaram o governo turco, incluindo uma efígie do presidente Recep Tayyip Erdogan que ficou pendurada brevemente do lado de fora da prefeitura de Estocolmo no início deste mês.

O governo turco pediu uma investigação sobre o protesto, dizendo que se trata de racismo e crime de ódio. Os promotores suecos disseram até agora que não abrirão uma investigação.

assistir | Conselheiro-chefe do Exército ucraniano discute o conflito:

A Alemanha está sob pressão crescente para permitir a exportação de tanques para a Ucrânia

Rosemary Barton Live fala com Dan Rice, Conselheiro Especial do Comandante-em-Chefe das Forças Armadas da Ucrânia, por sua avaliação da guerra e da crescente pressão sobre a Alemanha para permitir a exportação de seus tanques Leopard 2.

No sábado, o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, cancelou uma visita de seu homólogo sueco que estava marcada para o final do mês, citando o que chamou de manifestações anti-turcas “nojentas” na Suécia.

Akar disse que a reunião não tem mais “qualquer importância ou ponto”.

A OTAN exige uma resposta à guerra da Rússia contra a Ucrânia

A Suécia e a Finlândia abandonaram décadas de não-alinhamento e se inscreveram para ingressar na OTAN depois que a Rússia invadiu a Ucrânia.

“A razão pela qual estamos tão interessados ​​em aderir é a deterioração da situação de segurança em nossa região”, disse Billstrom.

Dan Rice, um especialista militar americano que atualmente serve como conselheiro especial do comandante das forças ucranianas, disse que fornecer segurança na região é exatamente o motivo pelo qual a OTAN foi originalmente formada.

“Acho que é um exemplo maravilhoso da OTAN se unindo para finalmente cumprir a missão que foi forjada em 1949”, disse Rice. Rosemary Barton ao vivo Em uma entrevista separada que foi ao ar no domingo.

READ  A guerra russo-ucraniana: o que sabemos no dia 41 da invasão russa | Ucrânia

O secretário de Relações Exteriores britânico, James Cleverly, disse à CBC News política de poder Na quinta-feira que a invasão russa fortaleceu a OTAN.

“Vladimir Putin esperava dividir a OTAN como uma aliança defensiva e, em vez disso, o que vimos foi a OTAN se unindo e dois novos países se candidatando para ingressar na OTAN como uma resposta direta à tentativa da Rússia de invadir a Ucrânia”, disse ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.