Mísseis russos chovem sobre cidades da Ucrânia

MOSCOU/MOSCOU (Reuters) – As forças russas bombardearam dezenas de cidades na Ucrânia no dia de Natal, enquanto o presidente Vladimir Putin disse que estava aberto a negociações, uma posição que Washington negou como posição por causa dos contínuos ataques russos.

O principal comando militar da Ucrânia disse que, no domingo, a Rússia lançou mais de 10 ataques com mísseis na região de Kobyansk, na região de Kharkiv, bombardeou mais de 25 cidades ao longo da linha de frente Kobyansk-Lyman e em Zaporizhia atingiu quase 20 cidades.

No domingo, o Ministério da Defesa da Rússia disse que matou cerca de 60 militares ucranianos no dia anterior ao longo da linha de junção Kobyansk-Lyman e destruiu muitas peças de equipamento militar ucraniano.

A Reuters não pôde verificar os relatórios de forma independente.

A invasão da Ucrânia por Putin em 24 de fevereiro – que Moscou chama de “operação militar especial” – desencadeou o maior conflito europeu desde a Segunda Guerra Mundial e um impasse entre Moscou e o Ocidente desde a Crise dos Mísseis de Cuba em 1962.

Apesar da última oferta de negociação de Putin, não há fim à vista para o conflito de 10 meses.

“Estamos prontos para negociar com todas as partes interessadas sobre soluções aceitáveis, mas cabe a eles – não somos nós que nos recusamos a negociar, são eles”, disse Putin à televisão estatal Rossiya 1 em entrevista transmitida no domingo.

Um assessor do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que Putin deveria voltar à realidade e admitir que é a Rússia que não quer negociações.

“A Rússia atacou sozinha a Ucrânia e está matando cidadãos”, escreveu o chanceler Mykhailo Podolak no Twitter. “A Rússia não quer negociações, mas está tentando evitar responsabilidades.”

READ  Um alto funcionário da defesa disse que 90% dos obuses dos EUA prometidos à Ucrânia foram transferidos para lá.

Ataques russos a usinas de energia deixaram milhões sem eletricidade, e Zelensky disse que Moscou terá como objetivo tornar os últimos dias de 2022 sombrios e difíceis.

“A Rússia perdeu tudo o que podia este ano… sei que a escuridão não nos impedirá de levar os ocupantes a novas derrotas. Mas temos que estar prontos para qualquer cenário”, disse ele em um discurso de vídeo na noite de Natal.

A Ucrânia tradicionalmente não comemorava o Natal em 25 de dezembro, mas em 7 de janeiro, como a Rússia. No entanto, este ano alguns ucranianos ortodoxos decidiram celebrar o feriado em 25 de dezembro, e as autoridades ucranianas, começando com Zelensky e o primeiro-ministro ucraniano, emitiram desejos de Natal no domingo.

O Kremlin diz que vai lutar até que todos os seus objetivos territoriais sejam alcançados, enquanto Kyiv diz que não vai ceder até que todos os soldados russos sejam expulsos do país.

Questionado se o conflito geopolítico com o Ocidente estava se aproximando de um nível perigoso, Putin disse no domingo: “Não acho que seja muito sério”.

Kyiv e o Ocidente dizem que Putin não tem justificativa para o que descrevem como uma guerra de ocupação de estilo imperial.

mísseis bielorrussos

Um alto funcionário do Ministério da Defesa da Bielorrússia disse, no domingo, que os sistemas de mísseis táticos fornecidos pela Rússia, capazes de transportar ogivas nucleares, e os sistemas de defesa aérea S-400 foram implantados na Bielo-Rússia e estão prontos para realizar as tarefas pretendidas.

“Nossos soldados e tripulações completaram seu treinamento em centros de treinamento de combate conjuntos das Forças Armadas da Federação Russa e da República da Bielorrússia”, disse Leonid Kasinsky, chefe da Diretoria Principal de Pensamento do Ministério, em um vídeo divulgado. no aplicativo de mensagens Telegram.

READ  China está mudando a forma como conta as mortes por Covid à medida que os crematórios se enchem

“Esses tipos de armas (sistemas Iskander e S-400) estão operando hoje em uma missão de combate e estão totalmente preparados para realizar as tarefas para o propósito pretendido”, acrescentou Kasinsky.

Não está claro quantos sistemas Iskander foram implantados na Bielo-Rússia depois que Putin disse em junho que Moscou iria fornecê-los e sistemas de defesa aérea para Minsk.

A notícia vem depois que Putin visitou Minsk em 19 de dezembro em meio a temores em Kyiv de que pressionaria a Bielo-Rússia a se juntar a uma nova ofensiva terrestre e abrir uma nova frente em sua vacilante invasão.

As forças russas usaram a Bielo-Rússia como plataforma de lançamento para sua ofensiva fracassada na capital ucraniana, Kyiv, em fevereiro, e tem havido uma onda crescente de atividades militares russas e bielorrussas nos últimos meses.

Iskander-M, código de sistema de mísseis guiados móveis denominado “SS-26 Stone” pela OTAN, substituiu o “Scud” da era soviética. Os mísseis guiados têm alcance de 500 km e podem transportar ogivas convencionais ou nucleares.

Esse escopo se estende aos países vizinhos da Bielo-Rússia: a Ucrânia e a Polônia, membro da OTAN, que mantém relações muito tensas com Minsk.

O S-400 é um sistema interceptador de mísseis terra-ar (SAM) russo móvel capaz de engajar aeronaves, drones e mísseis de cruzeiro e possui capacidade de defesa contra mísseis balísticos de ponta a ponta.

Hoje, segunda-feira, a mídia russa e ucraniana informou que explosões foram ouvidas na Base Aérea Russa de Engels, a centenas de quilômetros das linhas de frente na Ucrânia.

O governador da região de Saratov, na Rússia, onde fica a base aérea de Engels, disse que as agências policiais estavam verificando informações sobre “um incidente ocorrido em uma instalação militar”.

READ  Itália se inclina para a extrema direita: o partido Irmão da Itália de Giorgia Meloni está prestes a vencer as eleições italianas

“Não houve situações de emergência nas áreas residenciais da cidade (de Engels)”, disse Roman Busargin, governador da região, ao aplicativo de mensagens Telegram. As instalações de infraestrutura civil não foram danificadas.

A base aérea perto da cidade de Saratov, cerca de 730 km a sudeste de Moscou, foi atingida em 5 de dezembro, no que a Rússia descreveu como ataques de drones ucranianos contra duas bases aéreas russas naquele dia. Analistas disseram que os ataques causaram um grande golpe na reputação de Moscou e levantaram questões sobre por que suas defesas falharam.

A Ucrânia nunca reivindicou publicamente a responsabilidade pelos ataques dentro da Rússia, mas disse, no entanto, que tais incidentes são o “carma” da invasão russa.

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrita por Michael Berry; Edição por Himani Sarker

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.