Netanyahu diz que Israel não é obrigado a votar “vil” na ONU

RAMALLAH, Cisjordânia (Reuters) – Israel condenou e os palestinos saudaram neste sábado a votação da Assembleia Geral das Nações Unidas para pedir à Corte Internacional de Justiça que emita um parecer sobre as consequências legais da ocupação de terras palestinas por Israel.

A votação de sexta-feira representa um desafio para o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, que esta semana assumiu como chefe de um governo que fez da expansão dos assentamentos uma prioridade e inclui partidos que querem anexar as terras da Cisjordânia em que foram construídas.

“O povo judeu não é ocupante em sua terra, nem ocupante em nossa capital eterna, Jerusalém, e nenhuma resolução da ONU pode distorcer esse fato histórico”, disse Netanyahu em uma mensagem de vídeo, acrescentando que Israel não está vinculado à “resolução desprezível”. “

Junto com Gaza e Jerusalém Oriental, os palestinos buscam um estado na Cisjordânia ocupada. A maioria dos países considera os assentamentos israelenses ilegais, uma visão que Israel contesta citando laços históricos e bíblicos com a terra.

O Tribunal Internacional de Justiça, com sede em Haia, também conhecido como Tribunal Mundial, é o mais alto tribunal das Nações Unidas que lida com disputas entre países. Suas decisões são obrigatórias, embora a Corte Internacional de Justiça não tenha poder para aplicá-las.

A Assembleia Geral das Nações Unidas pediu à Corte Internacional de Justiça que forneça uma opinião consultiva sobre as consequências legais da “ocupação, assentamento e anexação israelenses… .”

Membros do novo governo de Netanyahu prometeram reforçar os assentamentos com planos de desenvolvimento e orçamentos e autorizar dezenas de postos avançados construídos sem licenças.

O governo inclui cargos recém-criados e papéis reestruturados que dão alguns desses poderes aos parceiros da coalizão pró-colonos, que visam, em última instância, estender a soberania israelense sobre a Cisjordânia.

READ  Futuros de Wall Street e do Euro sobem com esperanças de cúpula de Biden-Putin

No entanto, Netanyahu não mostrou nenhuma indicação de quaisquer passos iminentes para anexar os assentamentos, um movimento que provavelmente abalará suas relações com aliados ocidentais e árabes.

Os palestinos saudaram a votação das Nações Unidas, na qual 87 membros votaram a favor da adoção do pedido. Israel, os Estados Unidos e outros 24 países votaram contra. 53 abstiveram-se de votar.

Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente palestino Mahmoud Abbas, cuja Autoridade Palestina limitou sua autonomia, disse à Cisjordânia.

Basem Naim, um funcionário do Hamas, o grupo islâmico armado que controla Gaza, disse que foi “um passo importante para restringir e isolar o estado de ocupação (Israel)”.

Escrito por Maayan Lubel. Edição por Kim Coghill e Frances Kerry

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *