Netanyahu enfrenta um grande desafio após a decisão do tribunal sobre isenção militar Israel

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, enfrenta uma das ameaças mais sérias até agora ao seu governo de coalizão, depois que a Suprema Corte do país ordenou a suspensão, a partir de segunda-feira, do apoio governamental a vários homens ultraortodoxos que não servem nas forças armadas.

A decisão surge na sequência de uma série de atrasos por parte do governo na apresentação de uma proposta ao tribunal destinada a aumentar o recrutamento militar para homens ultraortodoxos, que historicamente têm estado isentos do recrutamento obrigatório.

O tribunal decidiu anteriormente que o sistema actual era discriminatório e deu ao governo até segunda-feira para apresentar um novo plano e até 30 de Junho para aprová-lo. Netanyahu, cujo governo inclui partidos a favor e contra o recrutamento ultraortodoxo, pediu na quinta-feira ao tribunal uma prorrogação de 30 dias para chegar a um acordo.

Israel tem serviço militar obrigatório, mas durante décadas abriu uma exceção para os judeus ultraortodoxos, também conhecidos como Haredim, que podem continuar a estudar a Torá a tempo inteiro e viver com subsídios do governo.

Mas enquanto as forças armadas de Israel travam uma guerra de quase seis meses em Gaza, na qual 500 soldados foram mortos, os legisladores do governo e da oposição expressaram uma posição que coloca o fardo do aumento das obrigações do serviço militar sobre a comunidade ultraortodoxa. Em vez de cobrar taxas extras de quem já está em serviço.

Benny Gantz, rival político de Netanyahu Ele anunciou sua disposição de renunciar Sobre o governo de unidade de emergência sobre a questão, ele elogiou a decisão do tribunal e disse que reconhecia “a necessidade de soldados durante uma guerra difícil e a necessidade de todos os membros da nossa sociedade partilharem o direito de servir o país”.

READ  Rússia anuncia cortes mais profundos nos fluxos de gás natural para a Alemanha

Este passo poderá ter profundas consequências políticas e sociais. Netanyahu está a lutar para colmatar uma grande divisão sobre o serviço militar no frágil governo de unidade nacional formado nos dias que se seguiram ao ataque do Hamas em 7 de Outubro.

Os apoiantes da revisão da isenção incluem o Secretário da Defesa e outros membros do Gabinete que dirigem a guerra, que esperam que os combates continuem durante meses, sobrecarregando a força de trabalho e alimentando as exigências públicas por revogações mais justas.

Os dois partidos ultraortodoxos da coligação religiosa nacional de Netanyahu, o Judaísmo da Torá Unida e o Shas, denunciaram a decisão como a “Marca de Caim”. Aryeh Deri, chefe do partido Shas, descreveu a decisão do tribunal como “intimidação sem precedentes contra estudantes da Torá no estado judeu”.

Se os partidos ultraortodoxos abandonarem o governo, o país será forçado a novas eleições, e Netanyahu Ele perde significativamente nas pesquisas.

Os partidos Haredi rejeitaram um plano alternativo, que procura prolongar a duração do serviço militar para os recrutas e aumentar a idade para os reservistas, ao mesmo tempo que exige o fim das isenções habituais concedidas aos estudantes da yeshiva. Alguns homens Haredi disseram que preferiam ir para a prisão a serem convocados.

A política de isenção remonta pouco depois da fundação do Estado de Israel, quando 400 estudantes da yeshiva foram autorizados a evitar o recrutamento obrigatório. À medida que a população Haredi cresce – para cerca de 12% da população do país de 9 milhões – dezenas de milhares de judeus evitam o recrutamento militar e vivem de subsídios governamentais para estudos religiosos.

O Rabino Chefe dos Judeus Sefarditas em Israel, Yitzhak Yosef, disse no último sábado Os Haredim deixarão Israel em massa Se a sua isenção do serviço obrigatório não for renovada.

READ  Supostos ataques aéreos israelenses atingiram a cidade de Homs, na Síria

Numa carta ao Supremo Tribunal na quinta-feira, Netanyahu pediu aos juízes que adiassem o prazo de 31 de março para o governo apresentar um novo plano de recrutamento militar, dizendo que era necessário mais tempo para chegar a um acordo.

Os juízes não responderam ao seu pedido.

A Reuters e a Associated Press contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *