Nova Zelândia é atingida por inundações e deslizamentos de terra pelo terceiro dia

(Reuters) – O número de mortos na Nova Zelândia devido a chuvas torrenciais aumentou para quatro neste domingo, enquanto inundações e deslizamentos de terra continuam na Ilha do Norte pelo terceiro dia.

Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia, devastada desde sexta-feira, permanece em estado de emergência. O meteorologista do país, MetService, alertou para um clima mais severo no domingo e na segunda-feira para a Ilha do Norte. Ela acrescentou que chuvas fortes também podem causar inundações superficiais e rápidas.

“Sabemos que há potencial para mau tempo esta noite”, disse Rachel Kelleher, controladora de gerenciamento de emergência de Oakland, a repórteres.

O estado de emergência cobre grandes áreas da Ilha do Norte, com a região de Waitomo a cerca de 220 quilômetros (140 milhas) de Auckland, declarada estado de emergência no final do sábado.

A polícia disse que um homem desaparecido após ser levado pela correnteza na sexta-feira no vilarejo rural de Onehiro, 70 quilômetros ao sul de Auckland, foi confirmado como morto.

“A parte mais terrível é que perdemos vidas”, disse o vice-primeiro-ministro Carmel Cipollone em Auckland, uma cidade de 1,6 milhão de habitantes.

A mudança climática está fazendo com que as chuvas fortes se tornem mais comuns e mais intensas na Nova Zelândia, embora o impacto varie de acordo com a região. O secretário de Mudanças Climáticas, James Shaw, fez a ligação com as mudanças climáticas no sábado, quando tuitou seu apoio às pessoas afetadas pelas enchentes.

No domingo, a polícia disse que estava ajudando a administrar o tráfego e o fechamento de estradas na região de Waitomo, depois que fortes chuvas “causaram vários deslizamentos e inundações e estradas danificadas”.

Na vizinha Bay of Plenty, também houve “inundações generalizadas”, disse a polícia, bem como um deslizamento de terra que destruiu uma casa e ameaçou propriedades próximas.

READ  O vídeo mostra um orangotango encontrando uma gambá em sua casa na árvore e jogando-a “como um frisbee”.

As autoridades disseram que milhares de propriedades ainda estão sem eletricidade, enquanto a água foi cortada para centenas.

No entanto, a Air New Zealand retomou os voos internacionais de e para Auckland e retomará ao meio-dia de domingo (23h GMT de sábado), disse um porta-voz.

O primeiro-ministro Chris Hepkins, que está no cargo há menos de uma semana, voou de helicóptero sobre Auckland no sábado e visitou casas varridas pelas enchentes. Ele descreveu o impacto da enchente na cidade como “sem precedentes” na memória recente.

O New Zealand Herald informou no sábado que as pessoas fizeram mais de 2.000 pedidos de ajuda e 70 evacuações em torno de Auckland – a maior cidade do país – por causa das inundações.

(Reportagem de Sam McKeith). Edição por Josie Kao, Edwina Gibbs e William Mallard

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *