O arrefecimento do núcleo da inflação proporcionará alívio mínimo ao Fed

(Bloomberg) — O núcleo da inflação dos EUA provavelmente moderou-se em abril pela primeira vez em seis meses, oferecendo um vislumbre de esperança de que as pressões sobre os preços estejam começando a diminuir novamente após uma série de surpresas ascendentes.

Mais lidos da Bloomberg

O núcleo do IPC, que exclui alimentos e combustíveis, deverá subir 0,3% em relação ao mês anterior, após subir 0,4% durante o primeiro trimestre. O Bureau of Labor Statistics está programado para divulgar seu relatório do Índice de Preços ao Consumidor na quarta-feira.

Em comparação com abril de 2023, o núcleo do IPC deverá aumentar 3,6%. Embora este aumento anual seja o mais pequeno em três anos, ainda está a avançar demasiado rápido para apaziguar os decisores políticos da Fed, que querem provas de que a inflação está a abrandar consistentemente enquanto debatem o momento dos cortes nas taxas de juro.

O IPC global deverá subir 0,4% pelo terceiro mês consecutivo, à medida que os preços da gasolina atingem o seu nível mais elevado em seis meses. Embora os preços das matérias-primas tenham caído consideravelmente, os custos dos serviços básicos permanecem elevados, o que explica por que a inflação se manteve estável no primeiro trimestre.

Parte da dificuldade que a Fed tem tido em reduzir a inflação para o seu objectivo de 2% reside no resiliente consumidor americano. As vendas a retalho em Fevereiro e Março avançaram fortemente, embora as previsões dos economistas para Abril sugerissem que as famílias fizeram uma pausa. Esses números também estão programados para serem divulgados na quarta-feira.

Na terça-feira, os economistas irão analisar o relatório do governo sobre os preços no produtor para avaliar o impacto de categorias como cuidados de saúde e gestão de carteiras que alimentam a medida de inflação preferida da Fed – o índice de preços de despesas de consumo pessoal.

Outros relatórios da próxima semana incluem construção de moradias e produção industrial para abril.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, deve falar na terça-feira em um evento para banqueiros estrangeiros em Amsterdã. Os presidentes regionais do Fed, Loretta Mester, de Cleveland, e Raphael Bostic, de Atlanta – que votam na política este ano – também estão programados para falar.

O que a Bloomberg Economics diz:

“O relatório central do IPC de abril pode parecer encorajador – esperamos que desacelere em comparação com março – mas vemos uma grande probabilidade de que a leitura central do PCE deste mês, uma preocupação maior para o Fed, permaneça forte.”

READ  EUA dizem que turbulência climática no sudoeste é uma 'falha do sistema'

—Anna Wong, Stuart Ball, Elisa Wenger e Estelle Au, economistas. Para a análise completa, clique aqui

Rumo ao Norte, os dados canadianos sobre as vendas de casas existentes em Abril revelarão se o mercado da Primavera está a aquecer, à medida que os compradores antecipam cortes nas taxas de juro. Dados sobre inícios de habitação, fabricação e atacado também serão divulgados.

Noutros lugares, os números sobre a força das economias chinesa e japonesa, os dados salariais do Reino Unido e as últimas previsões da UE manterão os investidores ocupados nos próximos dias.

Clique aqui para saber o que aconteceu na semana passada. Abaixo está um resumo do que acontecerá na economia global.

Ásia

A China publica uma série de dados na sexta-feira que deverão mostrar um forte início de segundo trimestre, com o crescimento da produção industrial, das vendas no varejo e do investimento em ativos fixos acelerando ano a ano.

Mas o declínio no sector da habitação continuará a representar riscos, prevendo-se que o investimento imobiliário diminua mais de 9%.

Estima-se que a economia japonesa tenha contraído no primeiro trimestre devido a um declínio no consumo privado e no investimento empresarial, bem como à primeira contribuição negativa das exportações líquidas num ano. Esses números estão previstos para quarta-feira.

É provável que o crescimento recupere novamente no segundo trimestre graças a uma recuperação na produção automóvel, de acordo com a Bloomberg Economics.

Na sexta-feira, a Malásia anunciou os números do PIB.

O crescimento salarial australiano deverá aumentar ligeiramente no primeiro trimestre, prevendo-se que a taxa de desemprego suba para 3,9% em Abril.

Entretanto, o tesoureiro australiano Jim Chalmers disse à Bloomberg que o orçamento proporcionaria um impulso maior à indústria mineral crítica do país, descrevendo o mercado lucrativo como uma “oportunidade de ouro”. Ele está programado para divulgar seu plano financeiro anual na noite de terça-feira.

As estatísticas comerciais deverão ser divulgadas na Indonésia e em Singapura, e espera-se que o banco central das Filipinas mantenha a sua taxa de juro de referência em 6,5% na quinta-feira.

Europa, Médio Oriente, África

O Reino Unido estará no centro das atenções com dados do mercado de trabalho que poderão encorajar os decisores políticos a observarem a diminuição das pressões inflacionárias.

O rendimento médio semanal, excluindo bônus, aumentou 5,9% anualmente no primeiro trimestre, de acordo com estimativas médias dos economistas.

Embora a tendência descendente em curso continue forte, encorajaria os responsáveis ​​do Banco de Inglaterra, dois dos quais votaram na quinta-feira a favor de um corte imediato nos custos dos empréstimos contra sete que votaram a favor de nenhuma mudança.

READ  Petróleo sobe mais de 1% com otimismo sobre a demanda à medida que a China reabre fronteiras

Na sequência desta decisão, os discursos dos decisores políticos do Reino Unido atrairão a atenção. Entre eles está o economista-chefe do Banco da Inglaterra, Hugh Bell, que falará na terça-feira.

Na zona euro, o calendário inclui vários funcionários do Banco Central Europeu. Os governadores dos Países Baixos, Alemanha, França e Itália estão entre os que falarão. O Banco Central Europeu deverá divulgar a sua análise semestral da estabilidade financeira na quinta-feira.

O número de confiança dos investidores alemães ZEW de terça-feira será o destaque de uma semana mais calma em termos de dados. O relatório final sobre a inflação da zona euro para abril será publicado na sexta-feira.

A Comissão Europeia, com sede em Bruxelas, divulgará previsões económicas para a região na quarta-feira, incluindo previsões de crescimento, inflação, dívida e défices.

Na Suécia, onde o Riksbank cortou as taxas de juro em 8 de Maio e prometeu mais este ano, a acta dessa decisão será publicada na quarta-feira, juntamente com a última leitura da inflação.

Os números do PIB da Noruega e da Polónia serão publicados na próxima semana.

O banco central da Roménia poderá na segunda-feira reduzir a sua taxa de juro pela primeira vez em três anos, à medida que a inflação ali diminuir gradualmente. Os últimos números de preços ao consumidor e crescimento do país também estão programados para serem divulgados nos próximos dias.

A leste, a inflação na Rússia deverá permanecer perto de 7,7%, com base em dados semanais do Ministério da Economia. Enquanto isso, os números do PIB podem mostrar uma recuperação do crescimento nos primeiros meses de 2024.

A Bloomberg Economics estima que a economia russa cresceu 5% em termos anuais no primeiro trimestre, face aos 4,9% dos três meses anteriores, apoiada pelos gastos de guerra e pela confiança dos consumidores.

Rumo ao sul, a taxa de inflação de Israel pode ter abrandado para 2,5%, mais uma prova de que a guerra de Israel contra o Hamas teve pouco impacto nos aumentos do custo de vida.

Na Nigéria, espera-se que o crescimento dos preços no consumidor acelere para mais de 34% em Abril, em parte devido à triplicação dos preços da electricidade para alguns consumidores urbanos.

Noutras partes de África, estão previstas duas decisões do banco central:

  • Os decisores políticos da Zâmbia deverão aumentar na Quarta-feira a taxa de juro directora pela sexta reunião consecutiva para apoiar o kwacha, que está a ser negociado em níveis recordemente baixos face ao dólar.

  • A autoridade monetária de Angola poderá seguir o exemplo na Sexta-feira e aumentar o seu índice pela segunda vez consecutiva para combater a inflação, que deverá continuar a subir devido à redução dos subsídios aos combustíveis.

READ  Ações da Toyota sobem com aprovação dos acionistas do conselho de administração e da nova estratégia de veículos elétricos

América latina

A economia colombiana poderá ter expandido ligeiramente no primeiro trimestre, apoiada por uma produção mais forte do que o esperado em Fevereiro.

O banco central elevou sua previsão de crescimento para 2024 de 0,8% para 1,4%, enquanto reduziu as estimativas para o próximo ano de 3,5% para 3,2%.

Também estão disponíveis dados sobre produção industrial, manufatura e vendas no varejo, que passaram 12 meses sem leitura positiva.

Entretanto, o principal responsável da política monetária da Colômbia advertiu que o banco central deveria ter cuidado, pois a aceleração dos cortes nas taxas de juro poderia reflectir o ritmo de desaceleração da inflação.

A economia brasileira recuperou no final do ano e permaneceu forte nos primeiros dois meses de 2024. A leitura do PIB de fevereiro foi ligeiramente melhor do que o esperado, devido ao aumento do salário mínimo e ao apoio governamental ao rendimento das famílias de baixos rendimentos.

Os números do PIB do Peru para Março podem ter perdido algum ímpeto depois de terem registado uma leitura superior ao esperado em Fevereiro.

Espera-se que a economia recupere da recessão em 2023, mas o estrago está feito: o número de peruanos que vivem na pobreza extrema atingiu o máximo dos últimos 11 anos no ano passado.

No Uruguai, a inflação de 3,68%, que está dentro da meta do banco central, pode levar os legisladores a reduzir os custos dos empréstimos pela segunda reunião consecutiva, a partir do nível atual de 8,5% na quinta-feira.

A terapia de choque do presidente argentino, Javier Miley, para a economia assolada pela crise do país começou a produzir resultados na frente da inflação.

Os analistas esperam agora que a leitura de abril seja de 9% em relação ao mês anterior, abaixo da previsão de 13% em janeiro, com a leitura de final de ano caindo cerca de 66 pontos percentuais, para 161,3%.

-Com assistência de Robert Jameson, Monique Vanek, Piotr Skolimowski, Paul Wallace, Tony Halpin e Brian Fowler.

(Atualizações com o Banco Central da Colômbia na seção América Latina)

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

©2024 Bloomberg L.P.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *