O Goldman Sachs está avaliando a venda de parte de seu negócio de patrimônio em uma ampla renovação estratégica

O logotipo do Goldman Sachs é visto no pregão da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) na cidade de Nova York, Nova York, EUA, 17 de novembro de 2021. REUTERS/Andrew Kelly/Foto de arquivo Aquisição de direitos de licenciamento

NOVA YORK (Reuters) – O Goldman Sachs disse nesta segunda-feira que está considerando vender parte de seu negócio de patrimônio, enquanto muda seu foco para atender aos ultra-ricos e se afastar dos ricos. Clientes de alto patrimônio líquido em grandes mercados.

O banco de Wall Street disse em comunicado que está avaliando alternativas para sua unidade de consultoria de investimentos registrada (RIA), chamada Personal Financial Management (PFM), que administra cerca de US$ 29 bilhões.

A mudança de estratégia ocorre depois que o CEO David Solomon reorganizou a empresa em três unidades no ano passado e reduziu as ambições de seu negócio de consumo, que perdeu US$ 3 bilhões nos últimos três anos.

O Goldman também está avançando na venda de sua fintech, GreenSky, e removeu a maior parte de seus empréstimos não garantidos ao consumidor depois de interromper esse tipo de empréstimo no ano passado.

“Isso faz parte da reestruturação geral da empresa, voltando às suas raízes”, disse Stephen Biggar, analista da Argus Research.

“Eles foram incapazes de abrir caminho para a lucratividade e escala” para a agência, que atende a indivíduos de alto patrimônio líquido em mercados de massa fora dos principais clientes ricos do Goldman, disse Biggar.

O Goldman se recusou a comentar os ganhos da PFM.

As ações da empresa caíram 1,4% no pregão da tarde, em comparação com o S&P Banking Stocks Index (.SPXBK), que caiu 0,6%.

READ  O S&P 500 e o Nasdaq abriram em alta na quinta-feira, com a Meta liderando uma alta nas ações de tecnologia.

O Goldman comprou a RIA, anteriormente United Capital Financial Partners, por US$ 750 milhões em 2019, quando administrava cerca de US$ 25 bilhões em fundos. A compra pretendia expandir a lista de clientes do Goldman além dos ultra-ricos, mas a unidade continuou sendo uma pequena parte dos negócios de patrimônio do banco.

O braço de patrimônio privado do Goldman supervisiona US$ 1 trilhão em ativos para clientes de patrimônio líquido ultraelevado.

A Citywire RIA relatou pela primeira vez a potencial venda.

O negócio de patrimônio do Goldman ficou para trás de seus rivais, incluindo o Morgan Stanley (MS.N), onde o CEO James Gorman construiu seu braço de gestão de patrimônio por meio de uma série de aquisições que geram receita estável.

Solomon foi pressionado a mudar a sorte do Goldman depois que seus lucros caíram 60% no segundo trimestre, com baixas contábeis em seus negócios de consumo e investimentos imobiliários atingindo os lucros.

O banco planeja expandir seus principais negócios de patrimônio para atender clientes de patrimônio líquido ultraelevado, ecoando as aspirações do Investors Day no final de fevereiro. Outras empresas de riqueza primária incluem planejamento financeiro no local de trabalho por meio da poupança de Aiko e Marcus, disse Goldman.

Os bancos americanos competem para atender clientes ultra-ricos, oferecendo serviços de corretagem, hipotecas e outros, bem como planejamento imobiliário e tributário. Essas atividades tendem a gerar receitas mais estáveis ​​do que as operações voláteis de Wall Street, como banco de investimento e trading, que estão intimamente relacionadas à atividade econômica.

(Narrado por Saeed Azhar). Edição por Lanan Nguyen, Tom Hogg, Sharon Singleton e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Aquisição de direitos de licenciamentoabre uma nova guia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *