O populista anti-islâmico holandês Geert Wilders abandona sua candidatura a primeiro-ministro

Fonte da imagem, EPA-EFE/REX/Shutterstock

Comente a foto,

A vitória de Geert Wilders no ano passado abalou a política holandesa, enviando ondas de choque por toda a Europa

O líder populista anti-islâmico holandês Geert Wilders abandonou a sua candidatura para se tornar primeiro-ministro, apesar da vitória dramática do seu partido nas eleições de 2023.

“Só posso tornar-me primeiro-ministro se todos os partidos da coligação o apoiarem. Não foi esse o caso”, escreveu ele no X, anteriormente conhecido como Twitter.

O seu Partido da Liberdade obteve o maior número de votos no ano passado, mas precisava do apoio de outros partidos para formar uma coligação.

As negociações continuam com três outros partidos sobre a forma do novo governo.

O negociador que lidera a última ronda de negociações, que terminou na terça-feira, deverá apresentar o seu relatório ao Parlamento na quinta-feira.

Wilders escreveu na sua carta na noite de quarta-feira: “Quero um governo de direita. Menos asilo e imigração. O povo holandês primeiro. O amor pelo meu país e pelos meus eleitores é grande e mais importante do que a minha posição”.

Wilders, 60 anos, passou meses em conversações com o partido liberal de centro-direita VVD, o partido Novo Contrato Social (NSC) e os partidos agrícolas BBB para tentar formar um governo de coligação.

Os líderes desses três partidos insistiram esta semana que a única forma de estarem dispostos a avançar seria se todos os quatro líderes partidários concordassem em não desempenhar um papel no governo, segundo a emissora pública holandesa NOS.

Não ficou imediatamente claro se foi alcançado um consenso para o cargo de primeiro-ministro.

Um debate parlamentar sobre a questão também é esperado na quinta-feira, quando Kim Potters, o homem que dirige as negociações entre os quatro partidos, apresentar as suas conclusões.

Espera-se que ele anuncie que os partidos estão prontos para formar um governo minoritário com um “gabinete extraparlamentar”, o que significa que nenhum dos quatro líderes partidários ocupará cargos ministeriais, mas continuará a ser deputado.

Não está claro exatamente quem será o primeiro-ministro e quem servirá no governo. Após 14 anos de governo de Mark Rutte, o próximo governo holandês terá um primeiro-ministro mais pessoal, enquanto os ministros poderão ser escolhidos tanto de fora da política como de dentro.

Este tipo de governo é favorecido pelo líder do Novo Contrato Social, Peter Umtsigt, e pelo líder do Partido Liberal, Dylan Jeselgosz. Será entregue uma lista de políticas que devem ser seguidas, dando ao Parlamento poderes mais amplos, embora a forma como funcionará permaneça um mistério.

A última vez que um primeiro-ministro não pertencia ao maior partido do governo holandês foi na década de 1980. A última vez que um primeiro-ministro holandês não foi líder de um dos partidos no poder foi em 1918, segundo a mídia holandesa.

A vitória do Partido da Liberdade no ano passado não só abalou a política holandesa, mas também teve repercussões em toda a Europa, uma vez que os Países Baixos são um dos membros fundadores do que hoje é a União Europeia.

READ  Líderes da UE criticaram apoio morno por transmitir uma "mensagem de unidade" à Ucrânia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *