O presidente senegalês Macky Sall adiou indefinidamente as eleições presidenciais marcadas para 25 de fevereiro

O Presidente senegalês, Macky Sall, anunciou no sábado o adiamento das eleições presidenciais marcadas para 25 de fevereiro por tempo indeterminado, poucas horas antes do início da campanha eleitoral oficial.

Emitida em: uma média:

2 minutos

Num discurso à nação, Sall disse ter assinado um decreto cancelando a medida anterior que fixava a data enquanto os legisladores investigavam dois juízes do Conselho Constitucional cuja integridade no processo eleitoral tinha sido posta em causa. Sall acrescentou: “Começarei um diálogo nacional aberto para criar condições para a realização de eleições livres, transparentes e inclusivas”, sem especificar uma nova data.

Esta é a primeira vez que o Senegal adia eleições presidenciais. As quatro transferências de poder, em grande parte pacíficas, através das urnas, desde a independência da França em 1960, reforçaram a sua reputação como uma das democracias mais estáveis ​​da África Ocidental.

No mês passado, o Conselho Constitucional aprovou 20 candidatos, mas excluiu dezenas de outros da corrida, incluindo os líderes da oposição Ousmane Sonko e Karim Wade. Wade foi proibido de concorrer porque possui cidadania francesa, uma decisão que denunciou como um “escândalo”.

Entretanto, Rose Wardini, uma das duas únicas mulheres na lista de candidatos aprovados, foi presa na sexta-feira sob a acusação de ocultar a sua nacionalidade francesa, segundo fontes judiciais.

Sall disse repetidamente que entregará o poder no início de abril ao vencedor das eleições. Depois de anunciar que não concorreria a um terceiro mandato como presidente, Sall nomeou o primeiro-ministro Amadou Ba do seu partido como seu sucessor.

Inquérito sobre o Conselho Constitucional

O parlamento senegalês aprovou na quarta-feira uma comissão de investigação sobre o trabalho do Conselho Constitucional – órgão que finaliza a lista de candidatos e anuncia o vencedor das eleições.

READ  Colapso da ponte Morbi na Índia: 9 presos por colapso da ponte que matou 134

Vários membros do parlamento do partido do presidente votaram inesperadamente a favor do inquérito, levantando especulações de que poderão tentar adiar uma votação que temem perder.

Uma campanha para um inquérito foi lançada pelo candidato desqualificado Wade. Acusou dois dos sete membros do Conselho Constitucional de terem ligações com candidatos presidenciais, incluindo o primeiro-ministro Amadou Ba, que o presidente cessante apoiava.

Antes do discurso do presidente, a Associação de Imames e Pregadores Senegaleses alertou no sábado para os perigos do adiamento e apelou directamente ao Presidente Sall para que tomasse medidas para evitar alimentar a instabilidade.

Ela disse num comunicado: “Qualquer tentativa de adiar as eleições estará repleta de riscos inúteis”. “Uma vez que o Senegal está estável em todos os aspectos e no bom caminho para realizar eleições, a decisão mais sábia para o chefe de Estado é fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir eleições livres e transparentes”, acrescentou.

Os eleitores senegaleses deverão escolher um sucessor para o Presidente Sall, que não pretende um terceiro mandato. Pela primeira vez na história do Senegal, o titular do cargo não aparece nas urnas. O seu sucessor, escolhido pelo primeiro-ministro Amadou Ba, está entre os 20 candidatos autorizados pelo Conselho Constitucional a concorrer.

(França 24 com AFP e Reuters)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *