O que a saída de Kenny Brooks da Virginia Tech significa para Kentucky

Dois dias depois de ser derrotado pela quarta colocada Virginia Tech na segunda rodada do torneio feminino da NCAA, Kenny Brooks renunciou ao time de hóquei para assumir o cargo de técnico do Kentucky Wildcats.

Brooks, natural da Virgínia, está deixando Blacksburg após oito temporadas. Ele levou Virginia Tech à sua primeira aparição na Final Four em 2023 e compilou um recorde de 180-82 desde que assumiu em 2017. Em Lexington, Brooks substitui Kyra Elzy, que foi dispensada este mês após temporadas consecutivas de derrotas.

Em 22 temporadas como técnico da Divisão I, Brock tem uma porcentagem de vitórias na carreira de 0,717. Ele teve apenas um recorde de derrotas, em 2003-04, sua segunda temporada no James Madison, onde treinou por 14 anos antes de ingressar na Virginia Tech. Brooks teve 8-4 contra times da SEC com os Hokies.

Virginia Tech liderou o ACC em eficiência ofensiva e porcentagem efetiva de arremessos de campo em 2023-24, enquanto Kentucky foi o último em ambas as categorias na temporada passada, de acordo com ESPN Stats & Information.

Como Brooks se encaixará na SEC? Qual é o caminho a seguir pela Virginia Tech? Nós damos uma olhada.

O que Brooks trouxe para Kentucky?

Kentucky alcançou seu maior período de sucesso no basquete feminino com três viagens para a Elite Eight em um período de quatro temporadas de 2010-13 sob o comando do técnico Matthew Mitchell. Depois de se aposentar por motivos de saúde e familiares pouco antes da temporada 2020-21, Elzy foi promovida de sua função de assistente a técnica principal e levou os Wildcats ao segundo título do campeonato SEC do programa em 2022.

Kentucky teve verdadeiro sucesso, mas também alguns anos. Por muito tempo foi difícil ser o “outro” programa de basquete da Big Blue Nation. Não é muito diferente da situação das equipes femininas de basquete em lugares como Kansas, Duke e Carolina do Norte, onde os holofotes sobre os lendários programas masculinos podem consumir tudo.

Isso mudou gradualmente ao longo dos anos, a ponto de os holofotes poderem se expandir para outros esportes nessas escolas. Sabemos o quanto o basquete do Kentucky é amado e Brooks pode aproveitar isso.

Entrar na SEC tem seus prós e contras. Do ponto de vista da estabilidade da conferência, a SEC é muito forte. Há muita visibilidade nos programas da SEC. Mas a liga foi dominada por um programa – Carolina do Sul – na última década, e o técnico do Gamecocks, Don Staley, não mostra sinais de desaceleração.

Além disso, a LSU é a atual campeã nacional, e programas perenes de campeonatos da NCAA, como Texas e Oklahoma, juntam-se à SEC. A conferência, mesmo nas chamadas temporadas de baixa, está lotada.

Este deve ser um passo difícil para Brooks, um nativo da Virgínia que, até agora, passou toda a sua carreira de treinador lá. Agora, ele está mudando de uma comunidade para outra, de uma liga onde o time de hóquei ganhou o título da temporada regular este ano para uma onde fazer isso pode ser tão difícil quanto vencer um campeonato nacional. Mas seu sucesso na James Madison University e na Virginia Tech é uma boa indicação de que ele está à altura do desafio. — Michael Vobel

O que a saída de Brooks significa para a Virginia Tech?

A campanha de 2024-25 já seria de transição para os Hokies depois que Elizabeth Kitley, três vezes jogadora do ano do ACC, encerrou sua carreira universitária. Não havia garantia de que a americana Georgia Amore, aluna do último ano, permaneceria pelo quinto ano. Mas com a saída de Brooks, presumivelmente levando membros do programa com ele, Blacksburg tem uma tarefa difícil pela frente para manter o hóquei no nível que alcançaram com Brooks.

Demorou para Brooks, que chegou antes da temporada 2016-17, transformar Virginia Tech em ACC e concorrente nacional, construindo uma base de fãs que se tornou uma das mais elétricas do país. O diretor atlético Whit Babcock deve encontrar um líder que possa manter um forte senso de cultura dentro do programa e evitar que ele volte aos seus dias de irrelevância (os Hokies alcançaram seu primeiro recorde de vitórias no jogo ACC sob o comando de Brooks e passaram 15 anos sem um NCAA participação no torneio antes de participar pela primeira vez em 2021).

Sean Bobby, que trabalhou com Brooks por anos na Virginia Tech, teria feito muito sentido como sucessor de Brooks, mas na manhã de terça-feira, ele teria assumido o cargo de treinador principal em Clemson. Será fascinante ver que tipos de candidatos Blacksburg pode atrair neste cenário esportivo universitário e com a incerteza crescente dentro do ACC. — Alex Filippo

READ  Classificações da linha ofensiva da NFL antes da semana 6 | Notícias, classificações e estatísticas da NFL

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *