O Quénia começou a entregar os corpos de 429 membros do culto do Juízo Final aos seus familiares

NAIROBI, Quénia (AP) – O governo queniano começou terça-feira a entregar os corpos dos mortos aos seus familiares. 429 membros do Culto do Juízo Final No centro de um caso jurídico que chocou o país.

Os corpos exumados numa vasta área rural na costa do Quénia apresentavam sinais de fome e asfixia. O líder do culto Paul McKenzie foi acusado de pedir a seus seguidores que morressem de fome para encontrar Jesus e Ele agora enfrenta acusações, incluindo assassinato.

As autoridades estão a utilizar testes de ADN para ajudar a identificar os corpos e as suas famílias. Na terça-feira, os primeiros corpos foram entregues aos familiares. As emoções aumentaram no necrotério de Malindi enquanto as famílias reuniam seus entes queridos para um novo enterro. Alguns choraram, emocionados.

Francis Wangi, o pai que perdeu a filha e outros sete membros da família, apontou para um carro funerário que transportava quatro corpos.

“Perdemos oito membros da nossa família”, disse Wangi. “Devíamos ter cinco, mas fomos informados de que uma das crianças não tinha DNA compatível.

“Recebemos apenas quatro agora. Então ainda esperamos que talvez no futuro consigamos os outros quatro.

McKenzie e dezenas de seus companheiros foram acusados ​​em fevereiro passado de torturar e matar 191 crianças. O julgamento começa em 23 de abril. O Ministro do Interior, Kithor Kendeke, declarou o Good News Ministries International de McKenzie um grupo do crime organizado.

Mackenzie é Ele está cumprindo pena separada de um ano de prisão Depois de ser condenado por dirigir um estúdio cinematográfico e produzir filmes sem licença válida.

Alguns quenianos furiosos perguntaram-se como é que as autoridades não tinham notado qualquer sinal de mortes em massa muito antes.

READ  Juiz pergunta ao governo Biden se o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman deve gozar de imunidade de ações civis

A Comissão de Direitos Humanos do Quénia afirmou na semana passada que a polícia não agiu com base em relatórios que poderiam ter evitado as mortes na remota área de Shakahola. Diversas denúncias foram apresentadas às delegacias por pessoas cujos familiares haviam entrado na área florestal.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *