O Supremo Tribunal da ONU ordena que Israel permita a entrada de alimentos e ajuda médica em Gaza

  • Escrito por Christy Cooney
  • BBC Notícias

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto,

Crianças carregando recipientes vazios esperam enquanto trabalhadores humanitários distribuem alimentos na Cidade de Gaza no início deste mês

O Supremo Tribunal da ONU ordenou por unanimidade que Israel permitisse o fluxo desimpedido de ajuda para Gaza, a fim de evitar a fome.

O Tribunal Internacional de Justiça disse que Israel deve agir “sem demora” para permitir “a prestação de… serviços básicos e assistência humanitária urgentemente necessários”.

Isto surge depois de avisos de que a fome poderia atingir Gaza dentro de semanas.

Israel descreveu as alegações de que estava a reter ajuda como “completamente infundadas”.

Também negou as alegações de genocídio feitas pela África do Sul ao Tribunal Internacional de Justiça e culpou as Nações Unidas pelos problemas com a distribuição da ajuda.

Embora as ordens emitidas pela CIJ sejam juridicamente vinculativas, o tribunal não tem autoridade para aplicá-las.

Ela disse que todos os 2,2 milhões de residentes de Gaza “enfrentam altos níveis de insegurança alimentar aguda” e que a fome deverá atingir o norte da Faixa antes do final de maio.

Na sua decisão, o Tribunal Internacional de Justiça afirmou que Gaza “já não enfrenta a ameaça da fome”, mas que “a fome começou” e que, segundo monitores da ONU, 31 pessoas, incluindo 27 crianças, morreram de subnutrição e desidratação.

Ela também apontou os comentários de Volker Türk, o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, que disse na semana passada que a “situação de fome e fome” era “o resultado de extensas restrições israelenses à entrada e distribuição de ajuda humanitária e bens comerciais. ” “O deslocamento da maior parte da população, bem como a destruição de infraestruturas civis vitais”.

O tribunal disse que Israel deve “tomar todas as medidas necessárias e eficazes para garantir, sem demora, em plena cooperação com as Nações Unidas, o fornecimento generalizado e desimpedido de serviços básicos e assistência humanitária urgentemente necessários”.

Acrescentou que a ajuda mais necessária inclui alimentos, água, electricidade, combustível, abrigo e vestuário, além de produtos de higiene e material médico.

A decisão também afirmou que Israel deve garantir que “o seu exército não cometa actos que constituam uma violação de qualquer um dos direitos dos palestinianos em Gaza” ao abrigo da Convenção do Genocídio.

Nos últimos meses, formaram-se frequentemente longas filas de camiões de ajuda enquanto esperavam para entrar em Gaza vindos do Egipto, e Israel tem sido acusado de submeter as entregas a verificações complexas e arbitrárias.

Num documento apresentado na semana passada, Israel pediu ao Tribunal Internacional de Justiça que não emitisse a última ordem, dizendo que as alegações da África do Sul eram “completamente infundadas nos factos e na lei” e “moralmente repugnantes”.

Também rejeitou o caso mais amplo contra ela ao abrigo da Convenção do Genocídio como “infundado”.

Israel também disse que o Hamas fica com a maior parte da ajuda que entra em Gaza e acusou as Nações Unidas de não distribuir o que resta à população civil.

O conflito actual começou após o ataque de 7 de Outubro, que viu militantes liderados pelo Hamas invadirem a fronteira com Israel, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns.

Dos sequestrados, cerca de 130 ainda estão desaparecidos e pelo menos 34 deles são considerados mortos.

O Ministério da Saúde administrado pelo Hamas em Gaza afirma que a campanha de retaliação israelense matou pelo menos 32.552 pessoas. No início deste mês, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que entre os mortos estavam mais de 25 mil mulheres e crianças.

READ  Nova Zelândia é atingida por inundações e deslizamentos de terra pelo terceiro dia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *