Os Estados Unidos aliviam sanções à Venezuela após o acordo eleitoral

Abra o Editor’s Digest gratuitamente

Os Estados Unidos suspenderam parcialmente as sanções à Venezuela depois que as negociações foram retomadas entre o governo socialista do país sul-americano e uma facção da oposição apoiada pelos EUA.

Na noite de quarta-feira, o Departamento do Tesouro dos EUA emitiu uma licença de seis meses que permite transações nos setores de petróleo e gás da Venezuela, e uma licença separada que permite transações com a empresa nacional de mineração de ouro Minervin.

O Tesouro também alterou as licenças existentes para remover a proibição da negociação secundária de certos títulos venezuelanos e da dívida da empresa petrolífera estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), embora a proibição da negociação primária continue em vigor.

O anúncio do alívio das sanções ocorre um dia depois de o governo de Maduro e a Plataforma Unitária – uma facção da oposição apoiada pelos Estados Unidos – retomarem as negociações em Barbados. Concordaram em realizar eleições presidenciais no segundo semestre do próximo ano.

“Em resposta a estes desenvolvimentos democráticos, o Tesouro dos EUA emitiu licenças gerais que permitem transações relacionadas com o setor de petróleo e gás e com o setor do ouro da Venezuela, além de remover a proibição do comércio secundário”, afirmou o Departamento do Tesouro num comunicado.

O governo venezuelano e a oposição concordaram em permitir a entrada de observadores internacionais na Venezuela para conduzir as eleições. Concordaram também que todos os candidatos qualificados podem participar nas eleições e que cada lado pode escolher o seu candidato de acordo com as suas próprias regras.

A oposição realizará as suas primárias no domingo, embora a favorita Maria Corina Machado tenha sido impedida de assumir o cargo em junho devido ao seu apoio às sanções dos EUA e à presidência paralela de Juan Guaido, apoiada pelos EUA, em 2019.

READ  Rússia ataca a Ucrânia antes da reunião Zelensky-Biden: atualizações ao vivo

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na noite de quarta-feira que Washington espera que o governo venezuelano comece a libertar prisioneiros políticos e cidadãos norte-americanos detidos injustamente, e que comece a suspender a proibição de todos os candidatos até o final de novembro.

Ele acrescentou: “O não cumprimento dos termos deste acordo forçará os Estados Unidos a recuar nas medidas que tomamos”.

“Acreditamos que este roteiro é o caminho mais viável para o povo da Venezuela garantir um acordo duradouro que conduza a eleições competitivas, à restauração do sistema democrático e ao fim da crise humanitária na Venezuela”, disse um responsável dos EUA.

O funcionário acrescentou que os Estados Unidos “reservam-se a autoridade para modificar ou revogar todas as licenças”. [Nicolás] “Maduro e os seus representantes não cumpriram as suas obrigações.”

Maduro, que deverá concorrer à reeleição, assumiu a presidência em 2013, após a morte de Hugo Chávez, o pai da chamada Revolução Bolivariana, que incentivou gastos públicos maciços ao subscrever a riqueza petrolífera do país.

A Venezuela possui as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo e já produziu cerca de três milhões de barris por dia, embora a produção hoje seja muito inferior a um milhão de barris por dia.

A corrupção e os baixos preços do petróleo levaram ao colapso económico na Venezuela, à hiperinflação, à escassez de alimentos e medicamentos e ao deslocamento de mais de sete milhões de cidadãos. Entretanto, Maduro reforçou o seu controlo do poder, proibindo ou prendendo opositores políticos e reprimindo protestos. Os Estados Unidos, a União Europeia e a oposição venezuelana consideraram a sua reeleição em 2018 fraudulenta.

Em 2019, a administração Trump impôs duras sanções ao país, ao tentar destituir Maduro ao reconhecer a presidência de Guaidó.

READ  Marina Ovsianikova: repórter de TV russa que protestou contra a guerra da Ucrânia no ar aparece no tribunal

Washington está a procurar formas de aumentar o fornecimento global de petróleo na sequência da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia no ano passado, que fez disparar os preços da energia.

Esgotou quase 300 milhões de barris da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA e, no ano passado, levantou algumas restrições energéticas à Venezuela, ao conceder à Chevron uma licença do Departamento do Tesouro para retomar a produção limitada de petróleo da sua joint venture com a PDVSA.

A maioria dos analistas afirmou que o alívio das sanções dos EUA teria um impacto limitado a curto e médio prazo na produção e nas exportações venezuelanas, devido ao colapso do investimento de capital que durou uma década. O Rystad Research Group disse que a produção venezuelana poderia aumentar para um máximo de 200.000 barris por dia após seis meses de flexibilização das sanções.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *