Os Estados Unidos anunciaram uma força de 10 nações para combater os ataques Houthi no Mar Vermelho Notícias do conflito Israel-Palestina

Segundo o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, a aliança inclui Bahrein, Canadá, França, Itália, Inglaterra e outros países.

Os Estados Unidos anunciaram o lançamento de uma força multinacional para proteger o comércio no Mar Vermelho, depois de uma série de ataques dos rebeldes Houthi do Iémen que forçaram várias companhias marítimas a suspender as operações.

Bahrein, Canadá, França, Itália, Seicheles e Reino Unido estão entre os países que aderiram ao “esforço de segurança multinacional” de 10 nações, disse o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, na segunda-feira.

“Os países que procuram defender o princípio fundamental da liberdade de navegação devem unir-se para enfrentar o desafio deste actor não estatal”, disse Austin num comunicado, descrevendo os ataques como uma questão que “exige acção colectiva”.

O anúncio foi feito depois que as marinhas dos EUA e do Reino Unido afirmaram no fim de semana que seus destróieres abateram um total de 15 drones em hidrovias.

Desde o início da guerra em Gaza, os Houthis, alinhados com o Irão, intensificaram os ataques com drones e mísseis contra navios nas principais rotas marítimas, visando navios que se acredita serem afiliados a Israel ou aos israelitas.

O grupo rebelde disse na segunda-feira que usou drones navais para atacar o Swan Atlantic, de propriedade norueguesa, e o MSC Clara, numa demonstração de solidariedade com os palestinos em Gaza.

Num comunicado, a norueguesa Inventor Chemical Tankers, proprietária da Swan Atlantic, disse que o navio não tinha ligação com Israel e era gerido por uma empresa de Singapura.

Nenhum ferimento foi relatado em nenhum dos navios.

Um alto funcionário e porta-voz Houthi, Mohammed al-Buqaidi, disse à Al Jazeera na segunda-feira que eles enfrentariam qualquer coalizão liderada pelos EUA no Mar Vermelho.

READ  O FBI invadiu uma sinagoga do Texas para libertar reféns, e o atirador foi morto


Mais países serão adicionados

Sarah Ghairat, da Al Jazeera, disse que a aliança poderia incluir o Egito e a Jordânia como países árabes adicionais para o transporte marítimo, porque estão interessados ​​em garantir a passagem segura dos navios.

“Ainda não está claro se eles se juntarão ao grupo mais tarde. O Egito e a Jordânia, bem como alguns países do CCG [Gulf Cooperation Council] Países incluindo a Arábia Saudita fazem parte das Forças Marítimas Combinadas e estarão sob a égide desta aliança”, disse Khairat.

“Lendo nas entrelinhas, é uma situação muito difícil para alguns destes países do Médio Oriente. “O mais próximo que se tem de assinar um acordo com os rebeldes Houthi no Iémen é a Arábia Saudita”, acrescentou.

“Temos o Egito, que não quer ser visto como alguém que vai contra a mensagem dos Houthis sobre Gaza – de que Israel deveria parar a guerra no enclave.”

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, manteve uma ligação com o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, na segunda-feira, sobre o assunto e discutiu maneiras de evitar mais conflitos.

Blinken “condenou os contínuos ataques dos Houthi a navios mercantes em águas internacionais no Mar Vermelho Sul e apelou à cooperação entre todos os parceiros para manter a segurança marítima”, disse o Departamento de Estado dos EUA num comunicado após a chamada.

Austin, que está em Israel, deverá realizar negociações no Bahrein e no Catar na terça-feira.


Empresas evitam o Mar Vermelho

Pelo menos 12 companhias marítimas, incluindo a Italo-Swiss Mediterranean Shipping Company, a francesa CMA CGM e a dinamarquesa AP Moller-Maersk, suspenderam o tráfego através do Mar Vermelho devido a questões de segurança.

Na segunda-feira, a petrolífera britânica BP tornou-se a última empresa a anunciar que está a abandonar a água.

READ  FBI emite alerta terrível sobre estações de carregamento de telefones públicos

“Devido à deterioração da situação de segurança do transporte marítimo no Mar Vermelho, a BP decidiu suspender temporariamente todo o tráfego através do Mar Vermelho”, afirmou a empresa num comunicado.

“Manteremos esta suspensão preventiva sob constante revisão, sujeita à evolução das condições na região”.

Os ataques Houthi deslocaram efectivamente uma parte significativa do comércio global, forçando as empresas de transporte de mercadorias a viajar por África, impondo custos mais elevados e atrasos nas entregas de energia, alimentos e bens de consumo.

Cerca de 12 por cento do comércio mundial passa pelo Mar Vermelho, que se liga ao Mar Mediterrâneo através do Canal de Suez, incluindo 30 por cento do tráfego de contentores.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *