Pesquisadores precisam sair na chuva

Um estudo recente sugere que os cientistas que dependem excessivamente de sensores e modelos remotos estão a perder detalhes importantes sobre eventos meteorológicos húmidos, o que poderia afetar os modelos dos sistemas terrestres e a compreensão científica. Eles defendem observações diretas e in loco para melhorar a precisão dos dados, inspirar a criatividade e enriquecer a educação ambiental.

Para que uma pessoa se destaque em sua área, ela pode precisar ser excelente em sua área.

Uma equipe de pesquisa interdisciplinar liderada por John T. Van Stan, da Universidade Estadual de Cleveland, acredita que os cientistas deveriam se aventurar fora do laboratório para observar diretamente fenômenos atmosféricos como chuva, neve ou precipitações misteriosas. Em artigo publicado na revista Ciências BiológicasOs investigadores sublinham que a monitorização prática de tempestades é fundamental para compreender as complexidades do tempo húmido e os seus diversos impactos no ambiente.

Recentemente, van Stan e seus colegas notaram uma tendência na comunidade científica de confiar no sensoriamento remoto para estudar tempestades e suas consequências: “Os cientistas naturais parecem cada vez mais satisfeitos em permanecer secos e confiar em sensoriamento remoto e amostragem, modelos e experimentos virtuais para compreender natureza.” Assim, poderíamos perder fenômenos tempestuosos importantes, inspiração imaginativa e oportunidades para construir a intuição – todos essenciais para o progresso científico.

Eles alertam que esse tipo de “bandeira guarda-chuva” pode deixar passar eventos locais importantes. Por exemplo, ao descrever o fluxo da água da chuva da copa da floresta para o solo, os autores observam que “se vários galhos retêm a água da chuva e a drenam eficientemente para o tronco, a entrada de água da chuva no solo próximo ao tronco pode ser mais de 100 vezes maior.”

Os autores também salientam que fenómenos importantes, como eventos de neblina de baixo nível, vapor preso sob as copas das florestas e plumas de condensado podem passar despercebidos à distância, mas são plausíveis para os cientistas no terreno. De forma mais ampla, estas omissões podem afetar modelos de sistemas terrestres, que muitas vezes subestimam o armazenamento de água na vegetação. Eles argumentam que esses erros podem representar um “viés potencialmente grande nas temperaturas da superfície simuladas por modelos de sistemas terrestres”.

No entanto, a observação direta tem vantagens que vão além de simplesmente abordar as deficiências da “ciência do pára-quedismo”. Van Stan e os seus colegas veem um valor intrínseco nas experiências diretas de tempestades – não apenas para os cientistas naturais, mas também para os estudantes que estudam os efeitos das alterações climáticas nos ecossistemas. Afirmam que esta abordagem imersiva aumenta a compreensão, desperta a curiosidade e fortalece as ligações com a natureza, enriquecendo assim a educação ambiental, inspirando a investigação e preparando a futura comunidade científica.

Referência: “Idéias para banhos: por que os cientistas deveriam passar mais tempo na chuva”, por John T. Van Stan, Scott T. Allen, Douglas P. Aubrey, Z. Carter Perry, Matthew Bedick, Miriam AMG Koenders-Gerets, Paolo Giordani 7 Junho de 2023 Ciências Biológicas.
doi: 10.1093/biosci/biad044

O estudo foi financiado pela National Science Foundation, pelo Departamento de Agricultura e Pesca, pelo Projeto McIntyre Stennis, pelo Departamento de Energia/Departamento de Energia dos EUA e pelo Serviço Florestal dos EUA.

READ  O crescimento da estrutura cósmica foi misteriosamente suprimido

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *