Prisioneira da oposição bielorrussa Maria Kolesnikova “em cuidados intensivos” | Bielorrússia

A líder da oposição bielorrussa presa, Maria Kolesnikova, foi transferida para terapia intensiva e operada, disseram aliados.

“Maria está no hospital de emergência em Gomel, na unidade de terapia intensiva”, disse o serviço de imprensa de Victor Babariko, outro político da oposição.

O pai de Kolesnikova, Alexander Kolesnikov, disse que sua filha está em estado grave, mas estável. Kolesnikov disse que os médicos não compartilharam seu diagnóstico ou quaisquer outros detalhes sobre a cirurgia com ele.

Ele apontou que sua filha parecia ativa e alegre quando ele a visitou pela última vez na prisão, cerca de um mês atrás.

O advogado de Kolesnikova disse que ela foi colocada em uma cela antes de ser levada ao hospital. Ele não explicou o estado dela.

O advogado disse que as autoridades repetidamente recusaram seus pedidos para ver Kolesnikova na prisão onde ela estava detida.

Kolesnikova foi uma das três mulheres líderes – junto com Veronika Tsepkalo e Sviatlana Tsikhanouskaya – que lideraram manifestações históricas contra o governante bielorrusso Alexander Lukashenko em 2020. Comícios em massa estouraram em toda a Bielo-Rússia contra a demanda de Lukashenko por um sexto mandato.

Kolesnikova foi presa por 11 anos depois de resistir à expulsão da Bielorrússia. Em setembro de 2020, o serviço de segurança KGB do país a levou para a fronteira com a Ucrânia depois de colocar um saco em sua cabeça e empurrá-la para dentro de um microônibus, mas na fronteira Kolesnikova rasgou seu passaporte para que ela não fosse deportada.

A repressão de Lukashenko aos protestos levou a milhares de prisões e exílio forçado ou prisão de ativistas e jornalistas.

“Que notícia terrível. Nossa querida Masha, todos esperamos que você esteja bem! disse Tsikhanouskaya, a líder da oposição no exílio.Kolesnikova, 40, é a única das três mulheres ainda na Bielo-Rússia.

READ  Bélgica envia F-16 para a Ucrânia com uma condição

Com Associated Press e AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *