Projéteis de artilharia de Mianmar atingiram a China, ferindo 5 pessoas e irritando Pequim

Reuters

O pessoal de segurança chinês fica perto de um veículo policial após projéteis de artilharia atingirem Nansan, província de Yunnan, nesta captura de tela obtida de um vídeo nas redes sociais, em 3 de janeiro de 2024.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse na quinta-feira que a China protestou em Mianmar depois que cinco pessoas foram feridas por projéteis de artilharia lançados durante batalhas entre a junta militar no poder e grupos rebeldes que se desviaram para uma pequena cidade perto de sua fronteira.

O conflito armado no norte de Mianmar entre militares e grupos rebeldes intensificou-se desde finais de Outubro, suscitando apelos por um cessar-fogo por parte da vizinha China, o que também facilitou o diálogo entre as duas partes.

“A China lamenta profundamente as baixas chinesas causadas pelo conflito e já fez declarações solenes às partes relevantes”, disse Wang Wenbin, porta-voz do governo.

“A China pede mais uma vez a todas as partes no conflito que cessem fogo, parem os combates e tomem medidas para evitar a recorrência de tais eventos hediondos”, disse Wang numa conferência de imprensa regular.

Ele acrescentou que a China tomará as medidas necessárias para proteger as vidas e propriedades dos seus cidadãos.

Anteriormente, o jornal estatal Global Times disse que cinco pessoas em Nansan, uma cidade subtropical perto de Mianmar, foram levadas ao hospital depois de serem feridas na quarta-feira por projéteis perdidos.

Um vídeo do incidente, que o jornal publicou nas redes sociais, mostrava uma pessoa deitada na calçada enquanto gritavam: “Chame a polícia!”

O jornal acrescenta no vídeo que autoridades da cidade de Jinkang, na província de Yunnan, sudoeste do país, confirmaram que o bombardeio desviou-se de Lakai, na região de Kokang, no norte de Mianmar, por volta das duas horas da tarde de quarta-feira.

READ  Tufão Muifa chega à terra enquanto milhões na China se preparam para fortes chuvas e inundações

O incidente ocorre depois que a embaixada chinesa em Mianmar, na semana passada, instou seus cidadãos a deixarem Lucai o mais rápido possível, citando riscos crescentes de segurança.

Por muitos anos, Kokang, no estado de Shan, em Mianmar, foi uma área turbulenta e turbulenta.

Em 2015, bombas provenientes da região também atingiram a fronteira na província de Yunnan, no meio de combates entre as forças governamentais de Mianmar e os rebeldes, ferindo um chinês e quatro cidadãos de Mianmar, irritando Pequim.

Alguns dos combates ocorreram a 500 metros (1.640 pés) da fronteira China-Mianmar na época.

Em 2009, confrontos na mesma área forçaram dezenas de milhares de pessoas a fugir através da fronteira para a China, informaram os meios de comunicação estatais chineses e grupos de direitos humanos.

Em meados de Dezembro, as Nações Unidas estimaram que mais de 660 mil pessoas tinham sido deslocadas em Mianmar desde 27 de Outubro, e estimaram o total correspondente a nível nacional em cerca de 2,6 milhões de pessoas.

A China instou os seus cidadãos a evitarem viajar para o norte de Myanmar e aconselhou aqueles que lá se encontram a procurar segurança ou a regressar às suas casas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *