Protestos eclodem no funeral de um iraniano que morreu após ser preso moralmente

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

DUBAI (Reuters) – Protestos eclodiram no oeste do Irã neste sábado no funeral de uma jovem que morreu após ser detida pela polícia moralista que aplicava regras rígidas de hijab, e as forças de segurança usaram gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram manifestantes cantando slogans antigovernamentais após um comício em Saqqaz, cidade natal de Mohasa Amini. Eles vieram de cidades próximas na região do Curdistão do Irã para lamentar o jovem de 22 anos que morreu em um hospital na capital, Teerã, na sexta-feira.

“Morte ao ditador”, gritava a multidão, em referência ao líder supremo aiatolá Ali Khamenei, enquanto algumas mulheres tiravam os lenços. A polícia foi vista disparando gás lacrimogêneo e no vídeo um homem apareceu com um ferimento na cabeça, um dos quais podia ser ouvido dizendo que foi causado por um tiro de pássaro. A Reuters não conseguiu verificar a autenticidade dos vídeos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Os protestos se espalharam para a capital provincial Sanandaj e continuaram até tarde da noite. Vídeos nas mídias sociais mostraram multidões gritando: “Saqez não está sozinho, ele é apoiado por Sanandaj”. Os manifestantes foram vistos confrontando a polícia de choque em meio a sons intermitentes de tiros. Outros vídeos postados mostraram jovens queimando pneus e jogando pedras na tropa de choque com nuvens de gás lacrimogêneo.

Nos últimos meses, ativistas de direitos humanos pediram às mulheres que removam publicamente o niqab, um gesto que arriscaria prisão por desafiar o código de vestimenta islâmico, enquanto os governantes linha-dura do país reprimem o “comportamento imoral”. Consulte Mais informação

READ  Ucranianos removem pelo menos duas pontes flutuantes perto de Belohorivka, mostram imagens de satélite e drone

Vídeos postados nas redes sociais mostraram casos do que parecia ser uma ação violenta de unidades policiais de moralidade contra mulheres que tiraram seus lenços de cabeça.

Investigação da morte

As autoridades abriram investigações sobre a morte de Amini, mas um médico disse no sábado que os resultados dos testes forenses podem levar até três semanas. O ministro do Interior, Abdolreza Rahmani Fazli, disse à televisão estatal que não houve relatos de que ela tenha sido espancada.

A polícia disse que Amini adoeceu enquanto esperava com outras mulheres detidas na Delegacia de Polícia de Moralidade, rejeitando as alegações nas mídias sociais de que ela provavelmente foi espancada.

A polícia divulgou imagens de circuito fechado de televisão aparentemente apoiando sua versão dos eventos. A Reuters não conseguiu verificar a autenticidade do vídeo, que parecia ter sido editado.

A polícia disse anteriormente que Amini sofreu um ataque cardíaco depois de ser levado ao centro “para receber sua educação”. Seus parentes negaram que ela sofra de alguma doença cardíaca.

Figuras proeminentes do esporte e da arte postaram comentários críticos nas mídias sociais sobre a morte de Amini e realizaram protestos em Teerã na sexta-feira em meio a uma forte presença da polícia de choque.

Postagens de mídia social disseram que, como durante protestos anteriores, as autoridades parecem ter restringido o acesso à internet móvel em Saqqaz e áreas próximas.

O observatório de bloqueio de Internet NetBlocks relatou uma “grande interrupção na Internet” em Teerã na sexta-feira, ligando-a aos protestos. Consulte Mais informação

Sob a lei islâmica iraniana, imposta após a revolução de 1979, as mulheres são obrigadas a cobrir seus cabelos e usar roupas largas e largas para esconder suas personalidades. Os infratores enfrentam repreensão pública, multas e prisão.

READ  O primeiro-ministro letão diz que as forças russas estão se movendo para o leste da Ucrânia, enquanto os EUA alertam que uma invasão em larga escala pode ser iminente

Décadas após a revolução, os governantes clericais ainda lutam para fazer cumprir a lei, com muitas mulheres de todas as idades e origens vestindo casacos justos até a coxa e lenços coloridos puxados para trás para revelar muitos cabelos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da redação de Dubai. Edição por Alex Richardson e David Gregorio

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.