Protestos em todo o país na França depois que Macron dobrou a conta da pensão

PARIS, 23 Mar (Reuters) – Os serviços de trem foram interrompidos, algumas escolas foram fechadas e lixo empilhado nas ruas da França nesta quinta-feira, parte do nono dia de greves nacionais em protesto contra um projeto de lei impopular para aumentar a idade de aposentadoria.

O jornal Le Parisien disse que os manifestantes bloquearam uma rodovia perto de Toulouse, no sudoeste da França, no início da manhã, e uma estação de ônibus mais a oeste, em Rennes. Comícios de protesto em todo o país estão programados para o final do dia.

O presidente Emmanuel Macron disse na quarta-feira que a legislação – que seu governo aprovou no parlamento sem votação na semana passada – entrará em vigor até o final do ano, apesar da crescente raiva em todo o país.

“A melhor resposta que podemos dar ao presidente é que há milhões de pessoas em greve e nas ruas”, disse Felipe Martinez, que lidera o sindicato militante CGT.

Os protestos contra as mudanças nas políticas, que elevam a idade de aposentadoria de dois anos para 64 anos e aceleram o aumento do número de anos que uma pessoa deve trabalhar para obter uma pensão completa, atraíram grandes multidões em comícios organizados por sindicatos desde janeiro.

A maioria dos protestos foi pacífica, mas a raiva aumentou desde que o governo aprovou o projeto de lei no parlamento sem votação na semana passada.

Nas últimas sete noites houve manifestações espontâneas em Paris e outras cidades, com lixeiras incendiadas e confrontos com a polícia.

Os sindicatos disseram que uma quinta-feira de greves e protestos atrairia grandes multidões contra o que chamaram de “desprezo” e “mentiras” de Macron.

Laurent Berger, presidente do maior sindicato da França, o moderado CFDT, disse à BFM TV que o governo deveria revogar a lei previdenciária.

READ  Lukashenko: Não há mais heróis após a rebelião de Wagner, diz líder da Bielorrússia à BBC

A última onda de protestos representa o desafio mais sério à autoridade do presidente desde a revolução dos “coletes amarelos” há quatro anos. Pesquisas de opinião mostram que uma ampla maioria dos franceses se opõe à lei de pensões, bem como à decisão do governo de aprová-la no parlamento sem votação.

O ministro do Trabalho, Olivier Dussopp, disse que o governo não nega as tensões, mas quer seguir em frente.

“Existe uma disputa que vai continuar sobre a idade de aposentadoria. Por outro lado, há muitos temas que possibilitam a retomada do diálogo”, afirmou, inclusive sobre como as empresas dividem seus lucros com os trabalhadores.

“As coisas vão acontecer gradualmente”, disse ele.

O fornecimento de eletricidade diminuiu na quinta-feira como parte das greves em andamento na Strip.

O governo renovou um pedido de compra exigindo que alguns funcionários retornem ao trabalho no depósito de combustível de Fos-sur-Mer, no sul da França, para garantir o abastecimento de gasolina para a região.

(Reportagem de Dominic Vidalon, Forrest Crellin, John Irish, Ingrid Melander, Sudeep Kar-Gupta; Edição de David Gregorio e Christina Fincher

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *