Putin pode ter desejado restaurar o Império Russo, mas seu poder sobre os antigos estados soviéticos está diminuindo à medida que sua invasão da Ucrânia vacila.

O presidente russo, Vladimir Putin, participa de uma cúpula informal anual de chefes de Estado da Comunidade de Estados Independentes na residência presidencial do Palácio Konstantin em Strelna, nos arredores de São Petersburgo, Rússia, sexta-feira, 7 de outubro de 2022.Alexey Daneshev, Sputnik, Kremlin Polfoto / Associated Press

  • Quando Putin invadiu a Ucrânia, especialistas especularam que seu objetivo final era restaurar o Império Russo.

  • Mas à medida que a guerra se arrastava, a atenção e o poder militar de Putin se concentraram na Ucrânia.

  • Agora, alguns de seus aliados pós-soviéticos estão expressando frustração com a falta de ajuda de Moscou.

Quando o presidente russo, Vladimir Putin, lançou um ataque não provocado à Ucrânia em fevereiro, especialistas disseram que ele esperava uma vitória rápida e poderia tentar restaurar o Império Russo ou a União Soviética.

Em vez disso, sete meses depois, a autoridade de Putin sobre a região pós-soviética pode estar mais instável do que nunca, já que sua atenção e poder militar continuam focados na Ucrânia.

A falta de liderança russa na Ásia Central e no Cáucaso, que atravessa os mares Negro e Cáspio, levou a violentos confrontos fronteiriços e frustrou os aliados de Putin na região, de acordo com um novo relatório publicado em Tempos de Nova York.

Desde a queda da União Soviética em 1991, e mesmo antes da ascensão de Putin ao poder, a Rússia insistiu em manter a influência sobre os estados pós-soviéticos, segundo Taras Kozyu, professor de ciência política da Academia da Universidade Nacional de Kyiv-Mohyla.

Kosio escreveu em um artigo para Conselho Atlântico.

O desejo de Putin de que o Ocidente ficasse fora da antiga União Soviética era evidente, especialmente na Ucrânia. um dos As razões de Putin para a invasão foram a expansão oriental da OTAN. Ele exigiu que a Ucrânia – que é considerada um membro ambicioso da OTAN – não seja autorizada a aderir à aliança.

READ  Lee Anderson se recusa a pedir desculpas pela alegação dos islâmicos sobre Sadiq Khan

Especialistas especulam que Putin foi motivado por um desejo mais profundo: Para restaurar a União Soviética ou o histórico Império Russoque antecedeu a União Soviética em um momento ou outro Incluiu Ucrânia, Finlândia, Bielorrússia, Geórgia, Moldávia, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão, entre outros..

“As evidências do declínio da influência da Rússia agora podem ser vistas em todo o mundo pós-soviético”, disse Cosio. “Nas linhas de frente na Ucrânia, a força de invasão de Putin está sofrendo com uma crescente escassez de mão de obra, o que zomba de tentar retratar a Rússia como a segunda potência militar do mundo.”

A Rússia em grande parte não abordou uma violenta disputa de fronteira entre o Quirguistão e o Tadjiquistão, ambos membros de uma aliança militar com Putin. “É claro que a Ucrânia os está distraindo”, disse Sadir Gaberov, presidente do Quirguistão, recentemente, segundo o The Times.

O jornal informou que a Armênia, outro membro da aliança militar, estava em conflito com o Azerbaijão e pedia ajuda de Moscou, mas sem sucesso.

A aliança, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva, é composta por seis estados pós-soviéticos e foi apoiada por Putin como contrapartida da OTAN. Mas também parece estar em perigo, pois o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan está irritado com a falta de ajuda de Moscou e ameaçou deixar a aliança, relata o The Times.

Para compensar as pesadas perdas, a Rússia também teve que retirar tropas estacionadas em alguns países pós-soviéticos para redirecioná-las para as linhas de frente na Ucrânia, sinalizando mais uma vez para esses países que o poder de Moscou está diminuindo, disse Kozio.

Enquanto isso, a falta de liderança do Kremlin na região deixou uma oportunidade para outros países intervirem.

READ  América classifica os mercenários russos Wagner como organização criminosa | notícias de conflito

“Os reveses militares humilhantes da Rússia na Ucrânia e seu isolamento econômico do mundo ocidental confirmaram sua posição como parceiro menor da China”, escreveu Kozio, acrescentando: “A China substituiu a Rússia como potência proeminente na Ásia Central”.

Além do declínio da influência sobre os estados pós-soviéticos, as relações da Rússia com parceiros poderosos também estão em terreno incerto. No mês passado, líderes da China e da Índia reconheceram publicamente as preocupações com a guerra na Ucrânia.

Putin intensificou a guerra desde então, mas a Rússia continuou a sofrer derrotas humilhantes, como a explosão de sábado no A ponte principal que liga a Crimeia ao continente russo.

Você tem uma dica de notícias? Entre em contato com este repórter em kvlamis@insider.com.

Leia o artigo original em interessado em comercio

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *