Qual é o próximo passo para as negociações de trégua depois de Israel ter resgatado 4 reféns e matado 274 palestinos?

TEL AVIV, Israel (AP) — Um fim de semana emocionante em Israel Resgatar quatro reféns O tiroteio na Faixa de Gaza, numa operação que, segundo as autoridades de saúde locais, resultou na morte de 274 palestinianos, ocorreu num momento delicado da guerra que já dura oito meses, com Israel e o Hamas a considerarem uma proposta dos EUA para um cessar-fogo e a libertação dos prisioneiros restantes. Prisioneiros.

Os dois lados enfrentam uma pressão renovada para chegar a um acordo: é pouco provável que a complexa operação de resgate se repita na escala necessária para devolver dezenas de reféns restantes, e serviu como um duro lembrete aos israelitas de que ainda existem prisioneiros sobreviventes detidos em duras condições. condições. Agora o Hamas tem quatro moedas de troca a menos.

Mas também podem resistir, como têm feito repetidamente ao longo de meses de negociações indirectas mediadas pelos Estados Unidos, Qatar e Egipto. O Hamas ainda insiste em acabar com a guerra como parte de qualquer acordo, enquanto Israel afirma que continua empenhado em fazê-lo Destruindo o grupo armado.

Aqui está uma olhada nas ramificações da operação e como elas poderiam impactar as negociações de cessar-fogo:

Êxtase e pedidos crescentes por um acordo

A operação de resgate foi a mais bem sucedida de Israel desde o início da guerra, devolvendo quatro dos cerca de 250 prisioneiros feitos pelo Hamas no seu ataque transfronteiriço em 7 de Outubro. Incluindo Noa ArgamaniQue se tornou um símbolo da luta pela libertação dos reféns.

O ataque também matou pelo menos 274 palestinos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, exacerbando o sofrimento dos habitantes de Gaza, que tiveram de suportar uma guerra brutal e uma catástrofe humanitária. O Ministério não faz distinção entre combatentes e civis nas suas estatísticas.

A operação de resgate foi recebida com júbilo em Israel, que ainda se recupera do ataque do Hamas e agoniza com o destino dos 80 prisioneiros e dos restos mortais de mais de 40 outros ainda detidos em Gaza. A linha dura israelita provavelmente considerará isso como prova de que a pressão militar, por si só, trará de volta o resto.

READ  Biden está caminhando na corda bamba diplomática em relação a Israel e ao Irã

Mas apenas três outros reféns foram libertados pela força militar desde o início da guerra. Três outros foram mortos por engano pelas forças israelenses depois de fugirem sozinhos, e o Hamas diz que outros foram mortos em ataques aéreos israelenses.

“Se alguém acredita que o processo de ontem alivia o governo da necessidade de chegar a um acordo, está a viver numa ilusão”, escreveu o escritor israelita Nahum Barnea no jornal de grande circulação Yedioth Ahronoth. “Há pessoas que precisam ser salvas e quanto mais cedo melhor.”

Até o porta-voz das FDI, almirante Daniel Hagari, reconheceu os limites da força militar. “O que trará a maioria dos reféns para casa com vida é um acordo”, disse ele aos repórteres.

Parentes e apoiadores de reféns israelenses detidos na Faixa de Gaza pelo Hamas exigem sua libertação durante uma marcha em Tel Aviv, Israel, sábado, 8 de junho de 2024. (AP Photo/Ohad Zwigenberg)

Mais de 100 reféns foram libertados durante o período Um cessar-fogo de uma semana no ano passado, em troca da libertação dos palestinianos detidos por Israel, e chegar a um acordo semelhante ainda é amplamente visto como a única forma de recuperar os restantes reféns. Horas depois da operação de resgate no sábado, dezenas de milhares de israelenses participaram de protestos em Tel Aviv para exigir tal acordo.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou uma proposta de plano faseado para um cessar-fogo e a libertação dos reféns. O impulso diplomático mais focado do governo Por uma trégua.

Biden descreveu-a como uma proposta israelita, mas o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu questionou publicamente alguns dos seus aspectos, especialmente o seu apelo à retirada das forças israelitas de Gaza e a uma trégua permanente. Os seus parceiros na coligação nacionalista extrema ameaçaram derrubar o seu governo se ele terminasse a guerra sem destruir o Hamas.

READ  Lord Cameron insta o Congresso dos EUA a apoiar o pacote de financiamento para a Ucrânia

Isto parece ter apenas agravado as suspeitas por parte do Hamas, que exigiu garantias internacionais para acabar com a guerra. Não está claro se tais garantias foram fornecidas e o Hamas ainda não respondeu oficialmente ao plano.

Netanyahu busca obter ganhos

A operação de resgate foi uma rara vitória para Netanyahu, a quem muitos israelenses culpam Falhas de segurança que levaram ao ataque de 7 de outubro Os reféns não foram devolvidos apesar de meses de guerra brutal.

Ele se deleitou com o sucesso da operação e, no sábado, correu para o hospital onde os reféns libertados estavam detidos e se encontrou com cada um deles enquanto as câmeras filmavam. O resgate provavelmente ajudará a reabilitar sua imagem.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fala durante uma entrevista coletiva no Hospital Sheba Tel Hashomer em Ramat Gan, Israel, no sábado, 8 de junho de 2024. Israel realizou no sábado sua maior operação de resgate de reféns desde o início da guerra com o Hamas, levando quatro para um local seguro.  Do centro de Gaza, enquanto os combates ferozes continuam ali.  (Jack Guez/Foto da piscina via AP)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fala durante uma entrevista coletiva no Hospital Sheba Tel Hashomer em Ramat Gan, Israel, sábado, 8 de junho de 2024. (Jack Guez/Pool Photo via AP)

Mas à medida que a euforia se desvanece, ele ainda enfrentará intensa pressão da administração dos EUA, que quer acabar com a guerra, e da base nacionalista extremista, que quer derrotar o Hamas a qualquer custo. Seu principal adversário político, o general aposentado Benny Gantz. Retirada da coalizão de emergência em tempo de guerra no domingo, deixando Netanyahu ainda mais em dívida com a linha dura.

Netanyahu já enfrenta críticas de algumas famílias dos reféns falecidos, que afirmam não ter recebido tais visitas e o acusam de receber o crédito apenas pelos sucessos da guerra. É provável que Israel também enfrente uma pressão internacional crescente devido ao elevado número de palestinos mortos no ataque.

O escritor Ben Caspit escreveu no jornal israelense Maariv: “O sucesso na libertação dos quatro reféns é uma vitória tática maravilhosa que não mudou nossa infeliz situação estratégica.”

READ  Zelensky da Ucrânia demite o chefe da Guarda do Estado por causa de um plano de assassinato Notícias da guerra russo-ucraniana

Tudo isto exige um difícil ato de equilíbrio, mesmo para alguém como Netanyahu, que é considerado um político talentoso tanto por amigos como por inimigos.

Este processo poderia proporcionar uma espécie de apoio ao público israelita que lhe permitiria justificar a conclusão de um acordo com o Hamas. Ou poderá concluir que o tempo está do seu lado e que pode chegar a um acordo mais difícil com os militantes enquanto estes enfrentam um grande revés.

Hamas perde fichas de barganha

O Hamas perdeu quatro valiosas moedas de troca que esperava trocar por prisioneiros palestinianos proeminentes. Argamani, que se tornou amplamente conhecida através de um vídeo que a mostrava implorando pela sua vida enquanto homens armados a arrastavam numa moto, foi uma perda particularmente grande para o Hamas.

O ataque também pode ter causado um golpe no moral do Hamas. No ataque de 7 de outubroO Hamas conseguiu humilhar um país com um exército muito superior e, desde então, reagrupou-se repetidamente, apesar das operações militares devastadoras em Gaza.

Mas a verdade é que Israel conseguiu ascender Uma operação de resgate complexa Em plena luz do dia, no meio de uma área urbana populosa, restaurou, pelo menos temporariamente, alguma da mística que as forças de segurança israelitas tinham perdido no dia 7 de Outubro.

A operação também redirecionou a atenção global para ela Crise de reféns Numa altura em que os Estados Unidos estão a trabalhar para mobilizar a pressão global sobre o Hamas para forçá-lo a aceitar o acordo de cessar-fogo.

Mas o Hamas tem uma longa história de resistência à pressão de Israel e de outros países. Muitas vezes com grande custo para os palestinos. Os militantes podem concluir que é melhor usar os reféns restantes para acabar com a guerra enquanto ainda podem – ou podem estar apenas à procura de lugares melhores para os esconder.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em Gaza em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *