Rússia abate um caça Su-27 sobre o Mar Negro: Kiev

Kiev anunciou que as forças russas abateram por engano um dos seus caças Sukhoi Su-27 sobre a Península da Crimeia.

O porta-voz da Marinha ucraniana, Dmytro Pletinchuk, disse à televisão ucraniana que o elevado estado de “prontidão para o combate” foi a razão do incidente ocorrido na quinta-feira na península ocupada.

O líder nomeado por Moscou em Sebastopol, Mikhail Razvozaev, disse que um avião de guerra russo “caiu” na costa da Crimeia sem mencionar o motivo, e que o piloto saiu em segurança e foi recuperado pelos serviços de resgate.

Os canais russos do Telegram publicaram supostas imagens do avião queimando ao cair, com o paraquedas do piloto ejetado.

O canal Crimean Wind Telegram afirmou que o avião foi abatido por engano pelas forças russas após decolar do Aeroporto Militar de Belbek.

Esta ilustração sem data mostra um Sukhoi Su-27. Um dos aviões pertencentes às forças russas foi abatido por fogo amigo em 28 de março de 2024, segundo os militares ucranianos.

Alan Nogues/Getty Images

Mas Pletinchuk disse à televisão ucraniana na sexta-feira: “Confirmamos que este avião pertence à Federação Russa e que as suas forças o destruíram.

“Eles estavam alertas, prontos para o combate. O fator humano foi o fator, e um dos operadores estava ansioso para conseguir uma medalha e não se preocupou em descobrir a qual avião ela pertencia”, acrescentou. Declarações do meio de comunicação ucraniano Pravda.

Semana de notícias Contactou o Ministério da Defesa russo sobre as alegações de Kiev.

READ  EXCLUSIVO: Os EUA e a Rússia usaram sua linha direta militar apenas uma vez até agora durante a Guerra da Ucrânia

Nos últimos dois meses, a Força Aérea Russa sofreu pesadas perdas de aeronaves, incluindo mais de uma dúzia de aviões de guerra, como caças-bombardeiros Su-34, caças Su-35 e um raro avião espião militar A-50.

Entretanto, a Ucrânia espera reforçar as suas capacidades aéreas, anunciando que os primeiros caças F-16 fornecidos pelos seus aliados entrarão em serviço dentro de alguns meses.

Depois de os Estados Unidos terem concordado em utilizar aeronaves fabricadas nos EUA, uma coligação de países comprometeu-se a fornecer aeronaves de quarta geração, cuja tecnologia está um passo acima das aeronaves MiG e Sukhoi da era soviética, das quais Kiev agora depende.

A ministra da Defesa belga, Ludivine Dedondre, anunciou na sexta-feira um pacote de ajuda militar contendo US$ 107 milhões para manter e apoiar aeronaves.

A Dinamarca disse que a Ucrânia poderá receber seus caças F-16 “neste verão”. Telégrafo Estima-se que Kiev possa receber até 60 aeronaves.

Quando questionado sobre a aquisição dos aviões pelos aliados pela Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, disse esta semana que eles seriam um “alvo legítimo” para os pilotos russos, mesmo em “aeroportos de terceiros países”.

“Destruiremos os seus aviões da mesma forma que destruímos os seus tanques” e outros equipamentos, disse ele no 344º Centro de Aviação do Exército em Torzhuk, 250 quilómetros a noroeste de Moscovo, embora tenha rejeitado as especulações de que a Rússia atacaria os membros da NATO como “absurdas”.