Rússia diz que não aceitará tetos nos preços do petróleo e se prepara para retaliar

(Reuters) – O Kremlin disse em comentários publicados neste sábado que a Rússia “não aceitará” um teto para os preços do petróleo e que está considerando como responder, em resposta a um acordo entre potências ocidentais que visa restringir uma importante fonte de financiamento . por sua guerra na Ucrânia.

A agência oficial de notícias russa Tass citou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, dizendo que Moscou fez preparativos para a declaração do G7, UE e Austrália na sexta-feira.

“Não aceitaremos esse teto”, disse ele à agência de notícias RIA. Ele acrescentou que a Rússia fará uma análise rápida do acordo e responderá depois disso, informou a agência de notícias RIA.

A Rússia disse repetidamente que não fornecerá países que aplicam o limite de petróleo – uma posição confirmada por Mikhail Ulyanov, embaixador de Moscou em organizações internacionais em Viena, em postagens nas redes sociais no sábado.

“A partir deste ano, a Europa viverá sem o petróleo russo”, disse ele.

O teto de preço do G7 permitiria que países fora da UE continuassem importando petróleo bruto russo por via marítima, mas impediria empresas de transporte, seguros e resseguros de lidar com embarques de petróleo russo em todo o mundo, a menos que sejam vendidos por menos de US$ 60. Isso pode complicar o transporte de petróleo russo com preços acima do limite, mesmo para países que não fazem parte do acordo.

O petróleo bruto dos Urais da Rússia estava sendo negociado a cerca de US$ 67 o barril na sexta-feira.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que o limite beneficiaria particularmente os países de baixa e média renda que sofreram o impacto dos preços mais altos de energia e alimentos.

READ  5 porta-aviões prontos para trabalhar juntos na Europa para o exercício da OTAN

“Com a economia da Rússia já encolhendo e seu orçamento cada vez mais magro, o teto de preço será imediatamente cortado da fonte de renda mais importante do (presidente Vladimir) Putin”, disse Yellen em um comunicado.

A embaixada russa nos Estados Unidos, em comentários postados no Telegram, criticou o que chamou de movimento ocidental “perigoso” e disse que Moscou continuará em busca de compradores para seu petróleo.

“Tais medidas levarão inevitavelmente a um aumento da incerteza e custos mais elevados para os consumidores de matérias-primas”, acrescentou.

“Independentemente do flerte atual com o instrumento perigoso e ilegal, estamos confiantes de que o petróleo russo continuará sendo procurado.”

Escrito por Mark Trevelyan. Editado por Frank Jack Daniel

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *