Rússia diz que Ucrânia disparou um míssil contra Moscou e atingiu a Crimeia com drones

  • Moscou diz que míssil foi derrubado a menos de 200 km de distância
  • A Ucrânia envia 42 regiões para a Crimeia e Moscovo diz que está a contrariar tudo
  • Não houve comentários imediatos da Ucrânia sobre o aparentemente grande ataque
  • Não foram relatados feridos ou danos

MOSCOU (Reuters) – A Rússia disse nesta sexta-feira que a Ucrânia disparou um míssil contra Moscou e atacou a Crimeia com 42 drones, em um dos maiores ataques aéreos ucranianos coordenados conhecidos até agora em território controlado pela Rússia.

O Ministério da Defesa russo disse que um míssil S-200 modificado foi abatido sobre a região de Kaluga, que faz fronteira com a região de Moscou. Kaluga fica a menos de 200 quilômetros (124 milhas) de Moscou.

O Ministério da Defesa disse: “O míssil foi detectado e destruído pelas defesas aéreas no território da região de Kaluga”.

O governador de Kaluga, Vladislav Shapsha, disse que não houve vítimas.

A Ucrânia não comentou imediatamente os relatórios e nunca assumiu publicamente a responsabilidade pelos ataques dentro da Rússia ou em território controlado pela Rússia na Ucrânia.

O Ministério da Defesa russo também disse que a Crimeia, que a Rússia capturou e anexou em 2014, foi atacada. Acrescentou que as forças de defesa aérea destruíram nove drones, enquanto a guerra electrónica anulou 33 aeronaves, e estes caíram sobre a península da Crimeia sem atingir os seus alvos.

Mikhail Razvozaev, governador da cidade portuária de Sebastopol, na Crimeia, nomeado por Moscou, disse por meio do aplicativo de mensagens Telegram que vários drones foram destruídos nos arredores de Sebastopol.

Não houve relatos imediatos de vítimas ou danos causados ​​pelos ataques, que a Rússia atribuiu à Ucrânia. Os aeroportos russos perto de Moscou suspenderam os voos por algumas horas.

READ  Modi busca investigação detalhada enquanto o número de vítimas da ponte da Índia sobe para 135

Os ataques foram os mais recentes de uma série de incidentes semelhantes desde a destruição de dois drones sobre o Kremlin, no início de maio.

A Ucrânia disse que a destruição da infra-estrutura militar da Rússia estava a ajudar a lançar uma contra-ofensiva, em comparação com o que Kiev lançou em Junho. O presidente Volodymyr Zelensky disse numa conferência internacional esta semana que Kiev iria “remover a ocupação” da Crimeia.

A Rússia não deu sinais de abandonar a Crimeia, que tem utilizado para lançar mísseis contra a Ucrânia.

Mas a inteligência militar da Ucrânia disse ter ajudado a Marinha esta semana numa “operação especial” na qual desembarcou unidades na ponta ocidental da Crimeia, entrou em confronto com as forças russas e içou a bandeira ucraniana.

A missão, que não foi confirmada pela Rússia, coincidiu com o Dia da Independência da Ucrânia e parecia ter como objetivo mostrar que as forças ucranianas são capazes de conduzir operações terrestres na Crimeia e que a península não está imune ao perigo.

A inteligência militar da Ucrânia também informou esta semana que tinha deliberadamente atraído um piloto militar russo para aterrar o seu helicóptero Mi-8 num aeroporto ucraniano. A Rússia não comentou. O famoso canal russo pró-guerra “Fighterbomber” disse que um helicóptero desapareceu e pousou por engano.

Reportagem de Lydia Kelly em Varsóvia;

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *