Rússia e Ucrânia lançam vários ataques de drones contra uma base aérea russa e a costa do Mar Negro

Kiev, Ucrânia (AFP) – Rússia e Ucrânia Os dois lados lançaram mais de uma dúzia de drones no território um do outro pelo segundo dia consecutivo no domingo, um dos quais parecia ter como alvo um aeroporto militar russo.

Pelo menos 35 drones ucranianos foram abatidos durante a noite em três regiões do sudoeste da Rússia, informou o Ministério da Defesa russo em publicação no aplicativo de mensagens Telegram.

Uma base aérea russa que hospeda aviões bombardeiros usados ​​na guerra na Ucrânia estava entre os alvos, de acordo com um canal russo do Telegram que critica o Kremlin. O canal publicou vídeos curtos de drones sobrevoando residências baixas no que alegou ser a cidade russa de Morozovsk, cuja base aérea inclui o 559º Regimento de Aviação de Bombardeiros Russo.

Vasily Golubev, governador da região russa de Rostov, relatou separadamente “ataques em massa de drones” perto de Morozovsk e de outra cidade mais a oeste, mas não mencionou a base aérea. Golubev disse que a maioria dos drones foi abatida e não houve vítimas. Ele não comentou os danos.

Também na manhã de domingo, a Força Aérea Ucraniana disse ter abatido 20 drones Shahed de fabricação iraniana lançados pelas forças russas durante a noite no sul e oeste da Ucrânia, bem como um míssil de cruzeiro X-59 lançado do sul ocupado do país.

O exército ucraniano disse que um civil foi morto ontem à noite perto de Odessa, o principal porto na costa sul do Mar Negro da Ucrânia, depois que os restos de um drone destruído caíram sobre sua casa.

Os crescentes ataques de drones no mês passado ocorrem num momento em que ambos os lados estão ansiosos para mostrar que não estão num impasse. A guerra está se aproximando da marca de dois anos. Nenhum dos lados obteve ganhos significativos, apesar da contra-ofensiva ucraniana que começou em Junho.

READ  O russo Wagner começa a retirar suas unidades de Bakhmut-Prigozhin

O bombardeio russo no domingo também matou um homem de 81 anos no centro da cidade de Kherson, no sul da Ucrânia, onde as forças ucranianas recuperaram o controle no outono passado, de acordo com o chefe da administração militar municipal.

As forças ucranianas e russas trocaram tiros perto de Terebryno, uma aldeia russa a poucos quilómetros da fronteira com a Ucrânia, de acordo com mensagens de telegrama do governador Vasily Gladkov. Ele não forneceu detalhes, mas insistiu que as autoridades russas colocaram a situação “sob controle”.

De acordo com Baza, um canal de notícias do aplicativo Telegram criado por jornalistas russos críticos do Kremlin, os combates entre as forças russas e um “grupo de desinformação ucraniano” começaram por volta das 11h, perto de Terebryno, onde vivem cerca de 200 pessoas, forçando os moradores a esconder-se em abrigos.

Embora os ataques transfronteiriços em território russo vindos da Ucrânia sejam raros, os militares russos afirmaram em maio ter matado mais de 70 agressores, descrevendo-os como sabotadores militares ucranianos, numa batalha de 24 horas. Kiev retratou o incidente como uma revolta contra o Kremlin Partidarismo russo.

Ao mesmo tempo, o Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano saudou o que descreveu como uma mudança radical na abordagem da Alemanha à crise. Kyiv busca adesão à União Europeia.

Numa entrevista ao jornal alemão Bild, Dmytro Kuleba disse que o chanceler alemão, Olaf Scholz, conquistou “admiração sincera e merecida” entre os ucranianos pelo seu papel na recente decisão da UE de abrir as conversações de adesão de Kiev.

A Ucrânia enfrenta há muito tempo uma forte oposição nas suas tentativas de aderir ao bloco de 27 membros do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que tem falado repetidamente do seu desejo de manter laços estreitos com a Rússia.

READ  Incêndio em bar de karaokê no Vietnã mata pelo menos 32 pessoas | Vietnã

Schulz disse que em Cimeira da União Europeia na semana passada Ele sugeriu que Orbán saísse da sala para permitir que a cimeira iniciasse negociações de adesão com a Ucrânia, algo que o líder húngaro concordou em fazer.

O que o chanceler alemão, Olaf Scholz, fez na cimeira para eliminar a ameaça do veto húngaro ficará para a história como um acto da liderança alemã em nome da Europa. “Esta semana a chanceler conquistou muita admiração sincera e merecida nos corações dos ucranianos”, disse Kuleba ao jornal Bild.

Ele também expressou esperança de que as ações de Schulz representassem uma “mudança mais ampla e irreversível” na abordagem de Berlim às negociações da UE com Kiev.

“Quando fiz campanha em Berlim, em Maio passado, para conceder à Ucrânia o estatuto de candidato à adesão à UE, os meus apelos para que a Alemanha assumisse a liderança do processo caíram em ouvidos surdos. Especialistas e políticos em Berlim disseram-me: ‘A Alemanha não quer liderar. ‘” “Estou feliz que as decisões políticas alemãs tenham mudado desde então”, disse Kuleba.

O governo ucraniano há muito que considera a adesão à UE e à NATO como objectivos fundamentais da política externa, e a decisão da UE de iniciar negociações rápidas deu a Kiev um grande impulso – embora possa levar anos até que possa aderir. Entretanto, os líderes da NATO ainda não definiram um calendário claro para a candidatura de Kiev à adesão, embora a ampla agressão de Moscovo contra a Ucrânia tenha levado a Finlândia, um dos vizinhos da Rússia, a ser aceite na aliança militar em Abril.

O presidente russo, Vladimir Putin, prometeu construir unidades militares perto da fronteira russo-finlandesa. O líder do Kremlin anunciou, sem dar detalhes, que a adesão de Helsínquia à NATO criaria “problemas” para o país do norte da Europa.

READ  Tremores secundários abalam Marrocos, com o número de mortos no terremoto subindo para 2.100

Não houve problemas (entre a Rússia e a Finlândia). Agora, haverá. Porque criaremos uma (nova) zona militar e nela concentraremos certas unidades militares.”

——-

A redatora da Associated Press, Vanessa Gera, em Varsóvia, Polônia, contribuiu para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra na Ucrânia: https://apnews.com/hub/russia-ukraine

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *