Rússia precisa de desnazificação, diz líder do Pussy Riot após fuga

BERLIM (Reuters) – A líder da banda anti-Kremlin Pussy Riot, que deixou a Rússia nesta semana disfarçada de entregadora de comida, disse que a Rússia, não a Ucrânia, precisa se livrar do nazismo antes que seu grupo comece um show. Tour contra a guerra.

Em um ensaio para um show quinta-feira na capital alemã, Maria Alyokhana disse que os russos deveriam pensar cuidadosamente sobre a guerra.

“Não tenho ideia de qual será o fim desse pensamento, mas sem ele, o país não tem o direito de existir – como a Alemanha após a Segunda Guerra Mundial. É a Rússia que devemos remover o nazismo, não a Ucrânia”, disse ela à Reuters TV. .

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Ela acrescentou que também deve haver um tribunal contra o presidente russo Vladimir Putin e generais e comandantes do exército.

A Rússia descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial” para desarmar o país e protegê-lo dos fascistas. Ele nega ter como alvo civis.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, se recusou a comentar sobre sua observação de que a desnazificação era necessária na Rússia, não na Ucrânia, e que Putin e seus generais deveriam ser processados.

Para ajudá-la a escapar da prisão domiciliar, Alyokhina vestiu uma roupa de entrega que sua amiga comprou online e entrou pela porta dos fundos do prédio em que estava hospedada, para escapar da polícia russa do lado de fora, disse ela.

“Fui para outro apartamento que parecia um apartamento conspiratório sem meu celular”, disse ela à Reuters TV.

Al-Yukina disse que seus cidadãos querem mudanças, mas muitos têm medo de serem colocados atrás das grades porque se manifestaram.

READ  Trump defende elogios a Putin mesmo chamando o presidente da Ucrânia de 'corajoso'

“Muitas pessoas estão realmente com medo porque agora você pode ir para a prisão por até 10 anos apenas por postar fotos de Bucha, apenas por postar este post”, disse ela.

Autoridades russas disseram que uma nova lei para impedir a disseminação deliberada de notícias “falsas” é necessária para proteger seus militares e combater a desinformação sobre sua campanha militar na Ucrânia.

Al Yokhna disse que o Pussy Riot estava ensaiando uma nova música sobre a guerra.

“Nós a escrevemos há duas semanas. É contra a guerra, contra a guerra que Putin começou contra a Ucrânia. É nossa declaração e será executada em conjunto”, disse ela.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Daria Shamonova) Escrito por Madeleine Chambers. Edição por Alison Williams

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.