Sánchez evita tripla derrota parlamentar, mas aliado catalão se recusa a apoiá-lo – Politico

MADRI (Reuters) – O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, evitou por pouco uma humilhante derrota parlamentar nesta quarta-feira, embora a recusa de um de seus aliados nacionalistas catalães em apoiá-lo tenha lançado dúvidas sobre a estabilidade do novo governo do país.

Sánchez, cujo Partido Socialista dos Trabalhadores formou uma coligação governamental com o partido esquerdista Somar em Novembro, vinha tentando aprovar uma série de medidas no Congresso contidas em três leis separadas já introduzidas por decreto em Dezembro.

A legislação, que exige aprovação parlamentar para permanecer em vigor, incluía uma extensão das medidas antiinflacionárias, que foi aprovada por uma margem de um voto. Legislação separada, também aprovada, incluía alterações na gestão do sistema judiciário e da função pública, que eram necessárias para garantir a libertação de uma parcela de 10 mil milhões de euros de fundos de recuperação da UE.

No entanto, a abstenção do partido pró-independência Junz de votar durante toda a sessão, e a oposição do partido de extrema-esquerda Podemos a algumas das medidas económicas propostas, fizeram com que o governo perdesse a terceira votação, que incluiu um aumento nos subsídios de desemprego. .

A aprovação das medidas anti-inflacionárias significa que os subsídios aos transportes públicos e aos bens alimentares básicos, os cortes do IVA nas facturas energéticas e os aumentos das pensões não serão revertidos, como temia o governo.

Antes da votação, Gantz exigiu várias mudanças nas medidas governamentais, incluindo sanções às empresas que mudaram as suas sedes para longe da Catalunha em 2017 e depois se recusaram a regressar. Acredita-se que cerca de 5.000 empresas deixaram a região devido à agitação política causada pelo fracasso da campanha de independência.

READ  Voos do Reino Unido para Ruanda: Juiz permite primeiro voo para enviar requerentes de asilo para Ruanda para avançar

O apoio dos sete deputados de Juntes, bem como de vários outros partidos nacionalistas, foi fundamental para garantir a posse de Sánchez em novembro. Em troca, o seu Partido Socialista dos Trabalhadores apresentou ao Congresso um polêmico projeto de anistia que beneficiaria os catalães que enfrentam ações legais por atividades separatistas. Entre eles está o ex-presidente catalão Carles Puigdemont, figura mais famosa de Gontz, que mora na Bélgica.

“Não viemos aqui com um compromisso com a estabilidade ou ambos [Junts and PSOE] Ela embarcou nesta aventura sabendo dos riscos”, disse Miriam Nogueras, de Gantz, à câmara, fazendo muitos acreditarem que o partido votaria contra o governo.

No entanto, Juntes disse que, ao abster-se na votação, conseguiu negociar algumas concessões de última hora, incluindo um maior controlo para a Catalunha em questões relacionadas com a migração.

A proximidade das votações destacou a fragilidade da administração de Sánchez e provocou críticas à sua confiança em Juntes.

“Está claro quem é o responsável: é Puigdemont”, disse Alberto Nuñez Viejo, líder do conservador Partido Popular.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *