Seis adolescentes franceses condenados pela decapitação de uma professora | Notícias dos tribunais

O assassinato do professor de história Samuel Paty chocou a França e gerou debates controversos sobre a liberdade de expressão.

Um tribunal francês condenou seis adolescentes em conexão com a decapitação do professor de história Samuel Paty, em 2020, cujo assassinato chocou o país.

Numa decisão proferida na sexta-feira, o tribunal considerou cinco dos seis arguidos, que tinham entre 14 e 15 anos no momento do ataque, culpados de ajudar o agressor a identificar o professor.

O sexto réu foi condenado por mentir sobre o conteúdo de uma discussão em sala de aula que irritou um professor que mostrou aos alunos caricaturas do profeta Maomé durante uma discussão sobre liberdade de expressão. A maioria dos muçulmanos evita representações de profetas, considerando-as uma blasfêmia.

Paty foi morta e decapitada fora de uma escola num subúrbio de Paris em 16 de outubro de 2020 por um jovem de 18 anos de origem chechena chamado Abdullahi Anzorov.

Cinco dos estudantes acusados ​​foram acusados ​​de monitorar Paty quando ele saía da escola e direcioná-lo para Anzorov, que foi baleado e morto pela polícia, em troca de promessas entre 300 e 350 euros (US$ 350-400).

Em depoimento emocionado, os adolescentes protestaram, dizendo que não sabiam que Patty seria morta. Eles enfrentam penas de prisão de até dois anos e meio.

O tribunal condenou a sexta arguida por falsas acusações e comentários caluniosos depois de ter sido provado que ela contou aos pais que Patty tinha pedido aos estudantes muçulmanos que saíssem da sala de aula antes de mostrar os desenhos animados. O tribunal estabeleceu que ela não estava na aula naquele dia.

O julgamento, que decorreu à porta fechada e com os meios de comunicação social proibidos de revelar a identidade dos adolescentes devido às leis francesas relativas a menores, destacou a discórdia na sociedade francesa sobre temas como “extremismo”, islamofobia e liberdade de expressão.

READ  A guerra poderá alastrar-se a mais partes do país se a tecnologia russa crescer

A decisão surge várias semanas depois de um professor ter sido morto a facadas no norte de França num ataque à escola por um jovem.

Muçulmanos e imigrantes do mundo árabe dizem que enfrentam discriminação e racismo generalizados na sociedade francesa, e que a tradição francesa de manter a religião fora dos espaços públicos tem sido usada selectivamente para suprimir expressões da identidade muçulmana.

Os políticos em França, especialmente os de direita, recorrem frequentemente a uma retórica que retrata os muçulmanos e os árabes como violentos e incivilizados.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *