Shell fora da Rússia após a invasão da Ucrânia, juntando-se à BP

  • Shell se retira do projeto gigante Sakhalin 2 LNG
  • A medida causa US$ 3 bilhões em incapacidade
  • “Estamos chocados com a perda de vidas na Ucrânia”, diz o CEO.

LONDRES, 1º de março (Reuters) – Shell Corporation (suspirar) Na segunda-feira, ele disse que eliminaria gradualmente todas as suas operações russas, incluindo uma grande usina de gás natural liquefeito, tornando-se a mais recente grande empresa de energia ocidental a deixar o país rico em petróleo após a invasão da Ucrânia por Moscou.

A decisão vem um dia depois que a rival BP desistiu de sua participação na gigante petrolífera russa Rosneft (ROSN.MM) Em um movimento que pode custar à empresa britânica mais de US$ 25 bilhões. Equinor Noruega (EQNR.OL) Ele também planeja sair da Rússia. Consulte Mais informação

A Shell disse em comunicado que abandonaria sua principal planta de GNL Sakhalin 2, na qual tem uma participação de 27,5 por cento, e que é 50 por cento de propriedade e operada pela gigante russa de gás Gazprom.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Shell disse que a decisão de sair das joint ventures russas levaria a danos. Ela acrescentou que a Shell tinha ativos não circulantes de cerca de três bilhões de dólares nesses projetos na Rússia até o final de 2021.

“Estamos chocados com a perda de vidas na Ucrânia, que lamentamos como resultado de um ato de agressão militar irracional que ameaça a segurança europeia”, disse o CEO da Shell, Ben van Beurden, em comunicado.

Duas fontes da BP disseram à Reuters que o presidente-executivo da BP, Bernard Looney. A Rússia descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação especial”.

READ  Starlink não bloqueará a mídia russa a menos que seja forçado a 'apontar arma'

As fontes disseram que durante a reunião anteriormente não relatada, Looney deixou claro que o investimento da empresa na Rosneft se tornou inaceitável.

“Só havia uma decisão que podíamos tomar”, disse uma fonte da BP. “A saída era o único caminho viável.”

Fontes disseram que Looney realizou mais duas reuniões do conselho no fim de semana, após as quais os membros do conselho votaram para sair imediatamente da participação da Rosneft.

Looney também conversou com o secretário de Negócios britânico Kwasi Kwarteng na sexta-feira, quando Kwarteng expressou preocupação com os interesses da BP na Rússia. Kwarteng saudou a decisão da BP de sair no Twitter no domingo.

suspirar

Kwarteng enviou uma mensagem semelhante à Shell na segunda-feira.

“A Shell tomou a decisão certa para se desfazer da Rússia”, disse ele no Twitter, acrescentando que havia falado com Van Beurden na segunda-feira.

O projeto Sakhalin 2, localizado na costa nordeste da Rússia, é enorme, produzindo cerca de 11,5 milhões de toneladas de GNL anualmente, que é exportado para os principais mercados, incluindo China e Japão.

Para a Shell, a maior comercializadora de GNL do mundo, o projeto é um golpe em seus planos de fornecer gás a mercados de rápido crescimento nas próximas décadas.

A Shell disse que a saída da Rússia não afetaria seus planos de mudar para energia renovável e de baixo carbono.

A empresa também planeja encerrar sua participação no gasoduto Nord Stream 2 Baltic, que liga a Rússia à Alemanha, que ajudou a financiar como parte de um consórcio de empresas. A Alemanha suspendeu o projeto na semana passada. Consulte Mais informação

A Shell também sairá do projeto Salym Petroleum Development, outra joint venture com a Gazprom.

READ  O diretor de negócios da Snap, Jeremy Gorman, exibirá anúncios na Netflix

Juntos, Salym e Sakhalin 2 contribuíram com US$ 700 milhões para o lucro líquido da Shell em 2021.

“A decisão certa do conselho de administração da Shell é sair de seus projetos russos”, disse Adam Matthews, diretor de investimentos do Conselho de Pensões da Igreja da Inglaterra, que investe na Shell, em um post no LinkedIn.

“Após a decisão da BP, o foco está naqueles que ainda não deram esse passo”, disse Matthews.

As casas de negócios japonesas Mitsui & Co. (8031.T) e Mitsubishi (8058.T), que detém 12,5% e 10% de participação na Sakhalin 2, respectivamente, disse separadamente que estava estudando o anúncio da Shell. Eles disseram que analisariam a situação com o governo japonês e os parceiros do projeto, sem dar mais detalhes.

A norueguesa Equinor, que é de propriedade majoritária do Estado norueguês, disse na segunda-feira que começaria a se desfazer de suas joint ventures na Rússia. Ele veio depois que o fundo soberano do país, o maior do mundo, disse no domingo que sacaria seus ativos na Rússia.

Outras empresas ocidentais, incluindo o banco global HSBC e a maior empresa de leasing de aeronaves do mundo, AerCap, disseram que planejam sair da Rússia enquanto os governos ocidentais apertam as sanções econômicas a Moscou. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Ron Bosu em Londres, Shanema A em Bengaluru e Yuka Obayashi em Tóquio; Edição de Jonathan Otis, Simon Webb, Richard Boleyn e Kenneth Maxwell

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.