Signet, dona da Zales, compra marca de joias online Blue Nile

Um pedestre passa por uma loja Zales em Nova York.

Scott Ailes | Bloomberg | Imagens Getty

jóias de anel Na terça-feira, a empresa disse que adquiriria a varejista de joias online Blue Nile por US$ 360 milhões em um acordo em dinheiro, em um esforço para atrair consumidores mais jovens e expandir seus negócios de noivas.

Separadamente, a Signet cortou sua previsão financeira para o segundo trimestre e todo o ano fiscal de 2023, dada a “crescente pressão sobre os gastos discricionários do consumidor” e outros ventos contrários macroeconômicos.

Virginia Drosos, presidente-executiva da empresa, disse que a empresa começou a ver uma queda nas vendas em julho, quando os compradores começaram a controlar seus gastos em meio à alta inflação por 40 anos.

A empresa controladora Zales, Jared e Kay Jewelers disse que espera receita no segundo trimestre de cerca de US$ 1,75 bilhão e receita operacional não-GAAP de cerca de US$ 192 milhões.

A empresa agora espera que as vendas do ano fiscal de 2023 fiquem entre US$ 7,60 bilhões e US$ 7,70 bilhões, abaixo da faixa anterior de US$ 8,03 bilhões a US$ 8,25 bilhões.

Ele fixa o lucro operacional anual não-GAAP na faixa de US$ 787 milhões a US$ 828 milhões, abaixo da orientação anterior de US$ 921 milhões e US$ 974 milhões.

Signet disse que os números revisados ​​não levam em consideração uma deterioração material adicional de fatores macroeconômicos que possam prejudicar os gastos do consumidor, nem a aquisição pendente da Blue Nile.

Signet disse que o acordo, que será financiado com dinheiro em caixa, deve ser fechado no terceiro trimestre. Ela disse que o acordo provavelmente não se sobrepõe aos negócios até o quarto trimestre do ano fiscal de 2024.

READ  Ações mistas com aumento dos temores de aumento da taxa de juros, China corta LPR

Mesmo com o mercado em baixa, disse Drosos, o forte balanço patrimonial da empresa e o “pó seco” permitiram que ela financiasse a aquisição da Blue Nile para aumentar sua participação de mercado.

No início deste ano, a Blue Nile e a empresa de compra de propósito especial Mudrick Capital Acquisition Corp anunciaram que concordaram em se fundir em um acordo que permitiria que a marca de joias aparecesse ao público via SPAC. A fusão avaliou a empresa combinada na época em US$ 873 milhões. Poderia ter sido um sinal do retorno do Nilo Azul aos mercados públicos.

Em 2016, a Bain Capital Private Equity e a Bow Street, uma empresa de investimentos privados, adquiriram a Blue Nile em um acordo de US$ 500 milhões.

Uma pessoa familiarizada com as conversas entre Murdock e Blue Nile disse que sua janela exclusiva está prestes a expirar. Além disso, essa pessoa acrescentou que a Bain estava ansiosa para retirar dinheiro da empresa, e a Signet já havia contatado a Blue Nile no ano passado sobre a aquisição.

O desempenho dos negócios SPAC no mercado mais amplo, já que os investidores ficaram para trás Perder o apetite por nomes de crescimento mais perigosos.

A Blue Nile Company registrou receitas de mais de US$ 500 milhões no ano civil de 2021.

Representantes de Blue Nile, Modric e Payne não responderam imediatamente ao pedido da CNBC para comentar por que o acordo falhou.

As ações da Signet caíram cerca de 7% nas negociações pré-mercado. As ações caíram 22% no acumulado do ano, desde o fechamento do mercado na segunda-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.