SpaceX bate outro recorde de reutilização de boosters, mas alguém viu? – Ars Técnica

Mais Zoom / Starlink 6-17 decola da Flórida na noite de terça-feira.

EspaçoX

A SpaceX lançou seu 67º foguete do ano na noite de terça-feira, um total surpreendente para a empresa e seu foguete principal, o Falcon 9. Nesse ritmo, um clipe de lançamento a cada quatro dias, a empresa provavelmente lançará 90 foguetes ou mais durante este ano civil.

O lançamento do satélite Starlink foi notável por vários outros motivos. Esta foi a primeira vez que a SpaceX reutilizou o primeiro estágio do Falcon 9 17 vezes. Este booster, número de série 1058, voou em 11 missões Starlink anteriores ao lado de GPS III-3, Turksat 5A, Transporter-2, Intelsat G-33/G-34 e Transporter-6.

A SpaceX conduziu uma avaliação bastante significativa do desgaste do propulsor depois que os primeiros estágios do Falcon 9 atingiram 15 voos, e os engenheiros da empresa agora acreditam que os foguetes podem realizar pelo menos 20 voos. Notavelmente, a SpaceX conseguiu ultrapassar os limites da reutilização de boosters, mantendo um recorde de 100% de sucesso nos últimos 228 lançamentos do Falcon 9, que remontam à explosão da plataforma em setembro de 2016.

Como parte do processo de manutenção, a SpaceX ainda realiza algumas inspeções básicas e substitui motores e outros componentes importantes de tempos em tempos. Além disso, a empresa só arrisca seus satélites Starlink com os propulsores mais experientes, reservando foguetes que percorrem distâncias menores para seus clientes.

Streaming on-line mínimo

Em seu webcast do lançamento de terça-feira à noite, “Starlink Group Mission 6-17”, a SpaceX também continuou sua tendência em direção a uma abordagem de transmissão simples. A empresa ainda fornece webcasts hospedados para clientes externos de satélites e parceiros da NASA para lançamentos de tripulação e carga. Mas para o Starlink, desde o mês passado, a empresa agora oferece apenas streaming de vídeo com áudio mínimo do centro de controle de lançamento. Este vídeo começa cinco minutos antes da decolagem.

READ  Um novo estudo sugere que Urano e Netuno não são feitos do que pensávamos

Esta é sem dúvida a abordagem certa para lançamentos Starlink, que agora ocorrem com frequência e têm basicamente o mesmo perfil de voo de uma missão para outra. Um dos primeiros funcionários da SpaceX, Hans Koenigsmann, uma vez me disse que um dos objetivos da empresa era remover a “mágica” do processo de lançamento. Com lançamentos regulares do Starlink, a empresa tem tido grande sucesso em trazer à tona itens imperdíveis desde o lançamento.

Além disso, o fundador da SpaceX, Elon Musk, nunca foi um grande defensor da transmissão do lançamento pela web. Sua posição é em grande parte a de que ninguém hospeda um webcast quando o avião decola do aeroporto. Então, se a SpaceX está se esforçando para operações semelhantes às das companhias aéreas, por que deveria transmitir todos os lançamentos?

Mas Musk também compreende o valor da proposta comercial da empresa. Além disso, os clientes externos adoram exposição e relações públicas para webcasting. Isso provavelmente explica por que as missões não Starlink ainda apresentam webcasts hospedados que são (um pouco) mais detalhados.

E você, YouTube?

Uma decisão que não parece defensável, do ponto de vista da expansão do alcance e apelo da SpaceX, é a decisão de Musk de remover o webcast da SpaceX do YouTube.

Em vez disso, a SpaceX agora transmite seu webcast exclusivamente no X, a rede social anteriormente conhecida como Twitter, que Musk adquiriu por US$ 44 bilhões. Presumivelmente, quando a SpaceX parou de publicar novas fotos no Flickr, esta decisão foi tomada porque Musk vê o YouTube como um concorrente do X.

Isso resultou em menor qualidade de resolução de vídeo, além Uma série de outras questões O que deteriora a experiência online dos telespectadores. Talvez não seja surpreendente, então, que lançamentos alternativos da NASASpaceflight.com e Spaceflight Now parecessem ter multidões maiores para o lançamento do Starlink na noite de terça-feira.

READ  O astronauta John Glenn, o primeiro americano a orbitar a Terra a bordo da Friendship 7

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *