Telescópio Webb encontra planetas do tamanho de Júpiter flutuando no espaço

O Telescópio Espacial James Webb descobriu “planetas do tamanho de Júpiter flutuando livremente e não orbitando uma estrela”. Esses objetos foram nomeadosJúpiter Os JuMBOs foram nomeados pelos cientistas que os descobriram.
Cerca de 40 pares foram identificados pelo JWST, o maior e mais poderoso telescópio do espaço, durante um levantamento da Nebulosa de Órion. O telescópio é uma parceria internacional entre a NASA, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA). ). Esses objetos são pequenos demais para serem considerados estrelas, mas também desafiam a definição tradicional deplaneta Porque não está em órbita ao redor da estrela-mãe. Os objetos misteriosos deixaram os astrônomos confusos.

A Agência Espacial Europeia postou na terça-feira no site de microblog X: “Novas fotos do espaço! O Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA adicionou imagens detalhadas da Nebulosa de Orion à nossa aplicação ESASky. Amplie esta região para ver uma rica variedade de fenômenos, incluindo protoestrelas, anãs marrons e até planetas flutuantes!

A Nebulosa de Orion é uma região de formação estelar a 1.350 anos-luz de distância TerraEle está localizado no cinturão da constelação de Órion, no hemisfério norte. Eles têm sido estudados há muito tempo por astrônomos, mas os cientistas estão envolvidos em novos Telescópio Webb Um estudo da área, divulgado na segunda-feira, diz que as novas imagens são as melhores vistas até agora.

A descoberta também parece confundir as teorias existentes sobre a formação de estrelas e planetas, que sugerem que não deveria ser possível a formação de objetos do tamanho de Júpiter através do processo que dá origem às estrelas dentro das nuvens de poeira e gás da nebulosa.

READ  Primeira detecção de gigantes gasosos nascendo em torno de uma estrela jovem (foto)

Os JuMBOs têm cerca de um milhão de anos – bebês em termos astronômicos – e têm temperaturas superficiais infernais de cerca de 1.000 graus Celsius. Sem uma estrela hospedeira, ela esfriará rapidamente e exibirá brevemente temperaturas na faixa habitável antes de se tornar incrivelmente fria. No entanto, como são gigantes gasosos, as suas superfícies não conterão água líquida, o que significa que é pouco provável que hospedem vida.
“Há algo errado com a nossa compreensão da formação planetária, da formação estelar ou de ambas”, disse Samuel Pearson, cientista da Agência Espacial Europeia.
A equipa da ESA ofereceu duas explicações possíveis para a origem destes objetos massivos. A primeira é que estes objetos se originaram de regiões da nebulosa onde a densidade do material era insuficiente para formar estrelas completas. A segunda possibilidade é que sejam planetas que se formaram em torno de estrelas, mas que acabaram sendo “expulsos” por interações gravitacionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *